Técnico investe 12 milhões em centro de inovação

Projeto será na antiga Gare do Arco do Cego, em Lisboa, e deverá estar concluído em junho de 2023. Primeira pedra é lançada amanhã.

É já amanhã que se realiza a cerimónia de colocação da primeira pedra do que virá a ser o Técnico Innovation Center, um projeto do Instituto Superior Técnico (IST) orçado em 12 milhões de euros e que ocupará o espaço da antiga Gare do Arco do Cego, que será agora reconstruída.

"Este é um processo que se iniciou há dez anos com a assinatura de um protocolo entre a Câmara Municipal de Lisboa e o Instituto Superior Técnico, em que a CML cedeu por 50 anos o direito de superfície do Arco do Cego ao IST por forma a que ali fosse construído algo útil ao IST e aos seus alunos, bem como à cidade e ao país", explica ao DN Rogério Colaço, presidente do Técnico. "O IST decidiu então construir um "centro de inovação", ou seja, uma infraestrutura aberta que permitisse criar uma nova centralidade em Lisboa, no eixo Saldanha-Alameda centrada no conceito de abertura ao público da inovação, tecnologia e investigação e criação de conhecimento que é realizada no IST. O centro de inovação será uma exposição permanentemente aberta à sociedade daquilo que o Técnico cria e constrói nos seus centros de investigação, nos seus núcleos de alunos, nos seus departamentos e campus", acrescenta o mesmo responsável.

O espaço terá cerca de 1000 metros quadrados com espaços de estudo disponíveis 24 horas por dia para estudantes universitários, zona de cafetaria e uma grande área expositiva que terá uma programação anual para mostrar a ciência produzida no Técnico. O critério da escolha do local prende-se com dois fatores. "A proximidade das instalações do Instituto Superior Técnico, bem como a disponibilidade da Câmara de Lisboa para ceder o direito de superfície da antiga Gare do Arco do Cego há dez anos", refere Rogério Colaço.

Este projeto implica um investimento de 12 milhões de euros e envolve várias entidades, conforme enumera ao DN o presidente do Técnico, Rogério Colaço. "A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo contribui com 40% da verba, a Fidelidade, que é o nosso parceiro mecenas, com 15% do valor da obra, e o restante será conseguido através de um empréstimo bancário".

O final da obra está previsto para junho de 2023 e, segundo o responsável máximo do Instituto Superior Técnico, "poderiam ter sido três a quatro anos entre a assinatura do protocolo entre a Câmara Municipal de Lisboa e o Instituto Superior Técnico e o lançamento da primeira pedra, mas foram dez. Causados essencialmente por constrangimentos financeiros e dificuldades burocráticas. Mas foram ultrapassadas e agora é o momento de arrancar com esta iniciativa que será importante para o Instituto Superior Técnico, mas também para o país".

Na cerimónia de amanhã do lançamento da primeira pedra, além do presidente do Técnico, estará presente o líder da Fidelidade, Rogério Campos Henriques, o mecenas do projeto, e vários membros do governo, como os ministros do Ensino Superior, Manuel Heitor, do Mar, Ricardo Serrão Santos, e a secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG