Incidência com ligeira subida e internados descem

De acordo com o boletim da DGS, foram registados 14 595 novos casos e 19 mortos nas últimas 24 horas. Há agora 1174 doentes internados.

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta quarta-feira indica que Portugal registou mais 19 mortes e 14 595 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas.

Lisboa e Vale do Tejo chegou às 6155 infeções e foi a região que mais casos reportou, seguido pelo Centro (2885), Norte (2294), Algarve (965), Alentejo (842), Açores (750) e Madeira (704).

No que diz respeito a mortes, a região Centro declarou oito, tendo as restantes sido no Norte (5), Lisboa e Vale do Tejo (3), Alentejo (1) e Algarve (11).

No que diz respeito a hospitais, há agora 1174 doentes internados (menos 51 que no dia anterior), dos quais 72 em unidades de cuidados intensivos (menos seis).

Em dia de atualização da matriz de risco, de acordo com os dados disponibilizados pela DGS, regista-se um ligeiro aumento da incidência, que é agora de 1411, 2 casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100 000 habitantes (era de 1398,1 na segunda-feira) no território nacional. Já no continente passou de 1316,3 casos para 1330,6.

O R(t) no território nacional continua numa fase ascensional e é agora de 0,91 (era de 0,84 na segunda-feira) e de 0,90 continente (era de 0,83).

Há neste momento 478 344 casos ativos da doença em Portugal, mais 3176 que no dia anterior.

Foram ainda registados mais 11 400 doentes recuperados da covid-19.

Infarmed manda retirar do mercado máscaras com marcação CE indevida

O Infarmed mandou suspender a comercialização da máscara cirúrgica tipo IIR da marca WellMask por ostentação de marcação indevida CE e não estar comprovado o cumprimento de todos os requisitos legais europeus, anunciou a autoridade do medicamento.

Em comunicado, o Infarmed nota que foi identificada a notificação, no portal de registo de dispositivos médicos, a máscara cirúrgica do tipo IIR, marca WellMask, ostentando marcação CE indevida, por não existir evidência de cumprimento de todos os requisitos legais aplicáveis a nível europeu incluindo documentação técnica incompleta.

O Infarmed refere que o fabricante declarou não ter procedido à efetiva disponibilização no mercado de nenhuma unidade deste dispositivo ostentando marcação CE.

Mesmo assim, o Infarmed determinou a imediata suspensão da comercialização no mercado do referido dispositivo.

Alívio de restrições deverá avançar em abril

Marta Temido, ministra da Saúde, disse esta terça-feira que o alívio de restrições de controlo da pandemia de covid-19 em Portugal, previsto para abril, deverá avançar, a não ser que haja uma circunstância imprevista.

"Creio que estamos em condições de cumprir aquilo que estava programado, a não ser que haja uma circunstância imprevista", afirmou Marta Temido no final da inauguração da Unidade da Mulher e da Criança do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/ Espinho (CHVNG/E), no distrito do Porto.

Apesar de não poder antecipar o que vai acontecer, a governante sublinhou que o país continua a ter uma diminuição do número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, apesar do crescimento de casos nos últimos dias.

"O crescimento do número de casos está controlado do ponto de vista daquilo que é o impacto nos serviços de saúde", vincou.

Marta Temido salientou que neste momento Portugal tem 41 óbitos por milhão de habitantes, segundo o relatório das linhas vermelhas divulgado na sexta-feira.

Contudo, acrescentou, este número deve diminuir ainda mais para que o alívio das restrições se concretize.

Em 24 de fevereiro, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou que o fim do uso de máscara nos espaços interiores está a ser equacionado, mas isso só acontecerá quando diminuir a mortalidade por covid-19 em Portugal e a atividade epidémica estiver mais baixa.

"Temos um marco importante a cruzar que é diminuir a mortalidade para os níveis que o ECDC [Centro Europeu de Controlo de Prevenção de Doença] preconiza", 20 mortos por milhão de habitantes, disse Graça Freiras aos jornalistas, à margem das 13.ª Jornadas de Atualização das Doença Infecciosas do Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

Nas jornadas, um especialista em Saúde Pública da Direção-Geral da Saúde (DGS) apontou o dia 03 de abril como uma data possível de uma nova fase da pandemia. Questionada sobre esta meta, Graça Freitas disse que é apenas uma projeção.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG