Três mortos e 33 feridos em despiste de autocarro na zona da Mealhada

Dois homens e uma mulher, com idades entre os 60 e os 70 anos morreram. Cinco dos feridos estão em estado grave. O autocarro tinha partido de Guimarães e seguia para Fátima. O trânsito esteve cortado nos dois sentidos da A1, mas reabriu antes das 15h00.

Um acidente ocorrido na manhã deste sábado na A1, na zona da Mealhada, com um autocarro a caminho de Fátima, causou três mortos e seis feridos graves, além de outros cinco críticos e 22 ligeiros, segundo a última atualização do INEM.

Fonte daquele organismo confirmou, à Lusa, que as vítimas mortais são dois homens, de 63 (o condutor e dono do autocarro) e 77 anos, e uma mulher de 52 anos.

O autocarro partiu esta manhã de Guimarães, no distrito de Braga, com peregrinos oriundos de três freguesias daquele concelho e tinha como destino o Santuário de Fátima, tendo-se despistado e embatido num poste elétrico cerca das 09:20 na A1, na zona da Mealhada.

Segundo o INEM, o Hospital Universitário de Coimbra recebeu oito daqueles feridos (três dos críticos e cinco dos graves) e 12 dos 22 feridos ligeiros, sendo que para o Hospital de Aveiro foram encaminhados dois feridos críticos, um ferido grave, oito feridos ligeiros e duas crianças foram socorridas no Hospital Pediátrico.

.

Ao início da tarde, em declarações aos jornalistas, perto do local do acidente, a GNR adiantou que "no terreno estão elementos do Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação (NICAV) a recolher informações mas ainda é muito prematuro falar", no entanto, referiu, "há possibilidade de um pneumático ter rebentado".

Carlos Tavares, da Proteção Civil, referiu que estiveram no terreno 57 viaturas, das quais cinco eram médicas e duas ambulâncias com suporte imediato de vida, 130 operacionais, um helicóptero, que acabou por não ser necessário utilizar, e duas equipas de apoio psicológico.

A circulação na A1 esteve cortada nos dois sentidos até cerca das 15.00, estado já restabelecida mas com "fortes condicionantes".

O acidente terá resultado do rebentamento de um pneu. O responsável da Proteção Civil adiantou que o autocarro "terá saído da faixa de rodagem e embatido contra um poste de eletricidade".

"No terreno estão elementos do Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação (NICAV) a recolher informações, mas ainda é muito prematuro falar", disse o militar da GNR. No entanto, referiu a "possibilidade de um pneumático ter rebentado".

À Lusa, fonte do INEM afirmou que no local estiveram seis Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação, três Ambulâncias de Suporte Imediato de Vida, duas unidades de apoio psicológico, uma Viatura de Intervenção em Catástrofe, 20 ambulâncias e um helicóptero.

O alerta foi dado às 9h29.

As vítimas foram transportadas para Hospital de Aveiro e para o Hospital Universitário de Coimbra.

A investigação das causas do acidente está a cargo da GNR.

Câmara de Guimarães apresenta condolências às famílias

A Câmara de Guimarães lamentou "o trágico acidente". Em comunicado, a autarquia refere: "O Município de Guimarães apresenta as mais sentidas condolências às famílias e amigos das vítimas do trágico acidente que aconteceu este sábado, 21 de maio, ocorrido na A1, na zona da Mealhada, na sequência do despiste de um autocarro que partiu da freguesia de Figueiredo, concelho de Guimarães, com destino ao Santuário de Fátima".

O município acrescenta na nota que "está em coordenação com as diversas autoridades, nomeadamente as de proteção civil e de socorro", assim como "a prestar o auxílio que for necessário às famílias das vítimas e aos feridos deste trágico acidente".

atualizado às 17.36

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG