Portuguesas entre as mães que mais trabalham

Portugal é um dos países onde existe maior proporção de mulheres empregadas com filhos. Bebés até aos 2 anos passam, em média, 40 horas por semana nas creches

Mais de 75% das mães portuguesas com filhos menores conciliam o emprego, quase sempre a tempo inteiro, com a vida familiar. A taxa de emprego das mães em Portugal é uma das mais elevadas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), de acordo com o estudo "Society at a Glance", apresentado ontem, que volta a colocar Portugal entre os países com menor taxa de casamentos e nascimentos, mais jovens a abandonar a escola precocemente e a viver com os pais até mais tarde.

A taxa de emprego entre as portuguesas com filhos até aos 2 anos é de 70%, quando a média da OCDE é de 53%. Se a análise se estender até aos 14, a taxa de mães a trabalhar em Portugal sobe para mais de 75%, sendo a média de 66%. Entre os 35 países analisados, só na Áustria, na Dinamarca, na Eslovénia, na Suécia e na Suíça há uma taxa mais elevada de mães empregadas. Portugal está também entre as nações onde mais de 90% das mães trabalham a tempo inteiro. Consequentemente, na maioria dos países da OCDE as crianças com menos de 2 anos passam, em média, 25 a 35 horas por semana em creches, mas, por cá, ficam 40 horas ao cuidado de terceiros.

"Em Portugal, a presença das mulheres no mercado de trabalho é uma das mais elevadas da Europa por razões históricas, que estão relacionadas com a dinâmica da economia", começa por explicar ao DN o sociólogo Elísio Estanque. A construção do Estado social, prossegue, nomeadamente os setores da educação e da saúde, "absorveram muitas mulheres" para o mercado de trabalho. Por outro lado, o sociólogo salienta os efeitos da crise económica, "que obrigou muitas mulheres a ir trabalhar", lembra.

Outra das explicações para a elevada taxa de emprego entre as mães portuguesas é, segundo Elísio Estanque, o facto de a entrada no mercado de trabalho acontecer cada vez mais tarde. "Quem não tem emprego fica muitas vezes na dependência de pais e avós e não pode ter filhos. Daí as baixas taxas de natalidade", esclarece.

Segundo o estudo da OCDE, a fertilidade em Portugal é de 1.23 filhos por cada mulher entre os 15 e 49 anos, enquanto a média dos 35 países da OCDE se situa nos 1.68 filhos. Só na Coreia do Sul nascem menos bebés. Embora haja uma presença cada vez mais significativa das mulheres no mercado de trabalho, Elísio Estanque reforça que "isso não quer dizer que usufruam de salários comparáveis aos dos homens. As desigualdades de género não desapareceram".

De acordo com os dados de 2014, Portugal é, segundo o estudo, o terceiro país da OCDE com mais jovens a abandonar precocemente a escola, logo a seguir ao México e à Turquia: um em cada três jovens não conclui o secundário, sendo os mais afetados pelas crises. Oito anos depois da crise de 2007-08, ainda existiam 40 milhões de jovens que não estudavam, não trabalhavam e não estavam em formação (NEET, na sigla em inglês) e mais de dois terços não estavam ativamente à procura de emprego. Fazem parte da chamada geração nem-nem.

Em Portugal, registou-se uma ligeira melhoria. A taxa de NEET chegou aos 19% entre 2008 e 2013, descendo para 15% no ano passado. "Apesar de existir uma sensibilidade maior, é um problema difícil de ultrapassar e resolver. Enquanto o Estado e as políticas sociais não tiverem meios para combater o flagelo e enquanto o sistema de Educação não conseguir evitar a saída precoce da escola, o problema não se pode resolver", destaca Elísio Estanque.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG