Nanorobôs podem ajudar espermatozoides preguiçosos e tratar infertilidade

Uma pequena hélice que encaixa num espermatozoide com baixa mobilidade pode ajudá-lo a chegar ao seu destino e fertilizar um óvulo

Uma das principais causas de infertilidade masculina é a baixa mobilidade dos espermatozoides, quando estes são saudáveis mas têm dificuldades para atingir o óvulo. Agora cientistas estão a desenvolver uma solução robótica: o "spermbot", uma espécie de nanorobô capaz de ajudar os espermatozoides a atingir o seu destino.

Uma equipa do Institute for Integrative Nanosciences em Dresden desenvolveu uma pequena espiral metálica que encaixa à volta da cauda do espermatozoide. Os investigadores conseguem usar campos magnéticos para pôr a espiral no espermatozoide, e depois são capazes de a fazer mover-se para impulsionar e direcionar o espermatozoide até ao óvulo. Quando o óvulo é fertilizado, a cauda metálica solta-se sozinha.

A técnica, descrita num trabalho de investigação publicado este mês na revista científica Nano Letters, pode vir a ser menos dispendiosa do que tratamentos de fertilidade como a inseminação artificial. No entanto, os investigadores reconhecem que ainda vai ser preciso refinar muito o método antes de este poder ser levado a ensaios clínicos. Por exemplo, uma das dificuldades é que ainda não existe forma de visualizar onde se encontra o espermatozoide quando este está dentro do corpo da mulher, o que tornaria impossível guiá-lo até ao óvulo.

Inicialmente, num artigo científico publicado em 2014, a mesma equipa de investigadores alemães tinha experimentado uma técnica parecida em que usavam um tubo de titânio em vez de uma espiral metálica. No novo artigo, explicam que a espiral, que funciona como uma hélice, será mais fácil de usar em laboratórios de fertilidade.

"Escolhemos estas hélices magnéticas como micromotores devido ao seu mecanismo relativamente simples de movimentação, que é amplamente compreendido e fácil de controlar em 3D", lê-se no artigo científico. O campo magnético usado para guiar a espiral não causa dano às células.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.