Internamentos voltam a descer em dia com 11 mortes

Dados do boletim da Direção-Geral da Saúde indicam que há menos 16 pessoas internadas com covid-19. São, no total, 455. Registaram-se mais 780 diagnósticos da infeção por SARS-CoV-2 e 1805 casos de recuperação da doença.

Portugal confirmou, nas últimas 24 horas, 780 novos casos de covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O relatório desta terça-feira (21 de setembro) indica que morreram mais 11 pessoas devido à infeção pelo novo coronavírus.

No que se refere à situação dos hospitais, há agora 455 internados (menos 16 face ao reportado na segunda-feira), dos quais 78 (menos quatro) estão em unidades de cuidados intensivos.

Há, no entanto, mais 1805 casos de pessoas que recuperaram da doença, elevando para 1 012 577 o número total de recuperados. Perante estes dados, os casos ativos de covid-19 descem para 32 598 (menos 1036).

A região Norte é a que concentra o maior número de novos casos (324) - tendo sido registadas duas vítimas mortais. Em Lisboa e Vale do Tejo verificam-se mais 242 infeções por SARS-CoV-2 e quatro mortes. ​​​​

Os restantes óbitos ocorreram no Alentejo (três), onde foram reportados 39 novos casos, no Centro (um), tendo sido registadas nesta região mais 103 infeções, e no Algarve (um), onde foram confirmados mais 48 infeções.

DGS indica ainda que foram confirmados mais 16 casos na Madeira e oito nos Açores.

Das 11 vítimas mortais, sete tinham mais de 80 anos, duas tinham entre 70 e 79 anos, uma entre os 60 e 69 anos, sendo que ocorreu um óbito na faixa etária entre os 50 e 59 anos.

Com esta nova atualização, Portugal soma, no total, 1 063 100 casos de covid-19 e 17 925 óbitos.

Relatório da DGS refere também que há menos 656 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, num total de 29 413.

Também esta terça-feira a Johnson & Johnson fez saber que uma segunda dose da vacina que desenvolveu (da Janssen), administrada dois meses após a primeira, faz aumentar a proteção contra a doença moderada a grave para 94%.

"Novos dados mostraram que a proteção contra covid-19 aumenta quando uma injeção de reforço da vacina Johnson & Johnson é administrada. O perfil de segurança da vacina permaneceu consistente e foi geralmente bem tolerado quando administrada como reforço", diz a farmacêutica em comunicado.

Paul Stoffels, diretor científico da Johnson & Johnson, indicou que existem evidências de que uma dose de reforço "aumenta ainda mais a proteção contra a covid-19 e espera-se que estenda a duração da proteção significativamente".

Japão começa a administrar terceira dose na população geral em 2022

Ainda sobre a vacinação, o Japão fez saber hoje que vai começar a administrar a terceira dose na população geral em 2022.

O país aprovou a administração da terceira dose, que será dada oito meses após a última toma, sendo que até ao final deste ano os profissionais de saúde vão receber a dose de reforço.

Em 2022, a administração da terceira dose irá começar com os maiores de 65 anos, sendo depois dada aos cidadãos com doenças graves ou que fazem parte de grupos de risco e à população em geral, explicou o ministro.

Mais de 229 008 620 casos de infeção diagnosticados em todo o mundo

Já a Grécia vai avançar no final deste mês para a vacinação da terceira dose, destinada aos profissionais de saúde e aos cidadãos com 65 ou mais anos.

Em relação à evolução da pandemia a nível global, foram registados 7405 mortos e 525 458 casos em todo o mundo nas últimas 24 horas, segundo um balanço da AFP, baseada em fontes oficiais.

Perante esta nova atualização, a pandemia do novo coronavírus já causou pelo menos 4 696 559 mortos no mundo desde que o SARS-CoV-2 foi identificado em dezembro de 2019 na China. Mais de 229 008 620 casos de infeção foram diagnosticados no mundo no mesmo período.

Acompanhe aqui os desenvolvimentos da pandemia em Portugal e no mundo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG