Uma morte em cada seis ocorrida no mundo em 2015 deveu-se à poluição

Estudo indica que poluição foi responsável por 16% das mortes em todo o mundo

Uma morte em cada seis ocorridas no mundo em 2015 esteve ligada à poluição, essencialmente à poluição do ar, mas também da água e dos locais de trabalho, segundo um estudo publicado esta sexta-feira na revista The Lancet.

"Estima-se que as doenças causadas pela poluição tenham sido responsáveis por nove milhões de mortes prematuras em 2015, ou seja, 16% do conjunto de mortes no mundo", avaliou-se no estudo, resultante de dois anos de trabalho de uma comissão que associa esta revista médica britânica, vários organismos internacionais, organizações não-governamentais e cerca de 40 investigadores especializados em questões de saúde e ambiente.

Este balanço representa "três vezes mais de mortes do que a sida, a tuberculose e o paludismo reunidos e 15 vezes mais do que as provocadas pelas guerras e todas as outras formas de violência", sublinharam os autores.

A poluição do ar, externo e interno, é responsável por 6,5 milhões de mortes cada ano, principalmente através de doenças não transmissíveis, como as doenças cardíacas, os AVC, o cancro do pulmão e a broncopneumonia crónica obstrutiva.

A água poluída está associada a 1,8 milhões de mortes, através, por exemplo, do mau saneamento ou da contaminação das fontes, causa de doenças gastrointestinais e infeções parasitárias.

A poluição no local de trabalho causou cerca de 800 mil mortes, pela exposição a substâncias tóxicas ou cancerígenas.

Mas a Lancet advertiu que esta avaliação está "provavelmente subestimada", considerando "as numerosas substâncias químicas emergentes que estão por identificar".

O fenómeno afeta em primeiro lugar "as populações pobres e vulneráveis", destacou-se no documento, com 92% destas mortes a ocorrerem nos países com rendimento médio ou fraco e, dentro de cada país, incide mais sobre as minorias e as populações marginalizadas.

Nos países em vias de industrialização rápida como a Índia, o Paquistão, a China, Madagáscar ou o Quénia, uma morte em cada quatro pode ser ligada à poluição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.