Uma morte em cada seis ocorrida no mundo em 2015 deveu-se à poluição

Estudo indica que poluição foi responsável por 16% das mortes em todo o mundo

Uma morte em cada seis ocorridas no mundo em 2015 esteve ligada à poluição, essencialmente à poluição do ar, mas também da água e dos locais de trabalho, segundo um estudo publicado esta sexta-feira na revista The Lancet.

"Estima-se que as doenças causadas pela poluição tenham sido responsáveis por nove milhões de mortes prematuras em 2015, ou seja, 16% do conjunto de mortes no mundo", avaliou-se no estudo, resultante de dois anos de trabalho de uma comissão que associa esta revista médica britânica, vários organismos internacionais, organizações não-governamentais e cerca de 40 investigadores especializados em questões de saúde e ambiente.

Este balanço representa "três vezes mais de mortes do que a sida, a tuberculose e o paludismo reunidos e 15 vezes mais do que as provocadas pelas guerras e todas as outras formas de violência", sublinharam os autores.

A poluição do ar, externo e interno, é responsável por 6,5 milhões de mortes cada ano, principalmente através de doenças não transmissíveis, como as doenças cardíacas, os AVC, o cancro do pulmão e a broncopneumonia crónica obstrutiva.

A água poluída está associada a 1,8 milhões de mortes, através, por exemplo, do mau saneamento ou da contaminação das fontes, causa de doenças gastrointestinais e infeções parasitárias.

A poluição no local de trabalho causou cerca de 800 mil mortes, pela exposição a substâncias tóxicas ou cancerígenas.

Mas a Lancet advertiu que esta avaliação está "provavelmente subestimada", considerando "as numerosas substâncias químicas emergentes que estão por identificar".

O fenómeno afeta em primeiro lugar "as populações pobres e vulneráveis", destacou-se no documento, com 92% destas mortes a ocorrerem nos países com rendimento médio ou fraco e, dentro de cada país, incide mais sobre as minorias e as populações marginalizadas.

Nos países em vias de industrialização rápida como a Índia, o Paquistão, a China, Madagáscar ou o Quénia, uma morte em cada quatro pode ser ligada à poluição.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...