Solstício foi ontem mas o pôr do Sol mais tardio do ano é só daqui a uma semana

O verão começou numa noite de lua cheia, algo que já não acontecia há quase 70 anos. Mas desenganem-se os que acham que ontem foi o dia mais longo do ano, pois o dia de hoje tem exatamente o mesmo tempo de luz solar

Catorze horas, 49 minutos, seis segundos. No hemisfério norte, é precisamente este o tempo de luz solar do dia de hoje. Tal como ontem, dia de solstício de verão, o Sol nasce às 06.12 e põe-se às 21.05, o que faz destes dois dias os mais longos do ano. Mas é por uma diferença mínima, já que amanhã se perdem apenas três segundos de Sol. A partir de agora, os dias vão começar a ficar mais pequenos, mas é na próxima semana que anoitece mais tarde. Na segunda e na terça-feira, o Sol nasce um minuto mais tarde e põe-se às 21.06.

"O ponto central do Sol tem vindo a afastar-se do Equador e atinge o ponto máximo hoje [ontem] à noite, às 23.34. Agora vai descer em latitude e aproximar-se do Equador", explica Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL). Como o solstício de verão aconteceu muito perto da meia-noite, explica o astrónomo, o período de luz solar de hoje é exatamente igual ao de ontem. No domingo, por exemplo, houve menos dois segundos de luz solar, enquanto amanhã se contabilizam menos três. "Por esta altura, o Sol atinge a latitude mais alta e varia pouquíssimo de dia para dia, o que faz que as durações dos dias não sejam muito diferentes", esclarece o especialista.

Um dado interessante, indica Rui Agostinho, é que no momento em que se considera que o Sol se está a pôr ele já se pôs. "Quando vemos uma nesga de Sol a tocar no horizonte, ele já está todo abaixo da linha do horizonte", um fenómeno que está relacionado com os efeitos da refração atmosférica.

Ontem, o solstício foi especial, já que coincidiu com a lua cheia de junho, a que algumas tribos da América do Norte chamam straw-berry moon, ou, em português, lua de morango, uma vez que assinala o início das colheitas deste fruto. Desde o verão de 1967 que os dois fenómenos não aconteciam no mesmo dia, o que tornou o evento de ontem ainda mais raro e especial. "Pode pensar-se que há uma conspiração cósmica para isso, mas é apenas uma coincidência. De vez em quando acontece", indica o diretor do OAL.

Como é habitual, milhares de pessoas juntaram-se ontem em Stonehenge, no Reino Unido, para assistir ao solstício de verão, logo a partir do pôr do Sol. Com mais de quatro mil anos, o monumento é formado por um conjunto de pedras, e é sobre a pedra principal que nasce o Sol, o que proporciona um espetáculo único.

Verão chegou com sol e calor

O verão chegou ontem e prolonga-se até ao próximo Equinócio, que, segundo o Observatório, ocorre no dia 22 de setembro, às 15.21. Depois de uma primavera marcada pela chuva, o solstício trouxe consigo o sol e as temperaturas altas, embora em algumas zonas do país possa vir a ocorrer precipitação ainda nesta semana.

Segundo Madalena Rodrigues, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o céu mantém-se "pouco nublado ou limpo" durante o dia de hoje, apenas com alguma nebulosidade no litoral norte e centro, onde pode persistir até ao final da manhã. Já para quarta-feira, é provável que ocorra alguma instabilidade e até aguaceiros e trovoadas no Norte e Centro do país.

Por todo o país, as temperaturas devem manter-se a rondar os 30 graus, chegando aos 37 no Alentejo. Para quinta e sexta-feira, Madalena Rodrigues diz que é esperada uma pequena descida da temperatura máxima, que volta a subir no próximo fim de semana.

De acordo com os dados do IPMA, o mês de março foi mais frio do que o normal, sendo o valor médio da temperatura o mais baixo dos últimos 31 anos e o 13.º mais baixo desde 1931. Abril também foi um mês atípico para o que é normal na primavera. Foi "extremamente chuvoso", tendo o valor médio da precipitação sido quase o dobro do normal (o 10.º mais alto desde 1931), uma tendência que se manteve no mês seguinte. Em maio, o valor da quantidade de precipitação foi muito superior ao valor médio, sendo o 5.º valor mais alto desde 1931 e o valor mais alto dos últimos 22 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.