Ser positivo e um lanche para festejar ajudam na escola nova

Pais devem promover a curiosidade das crianças que estão a mudar de ciclo e não dizer que agora a brincadeira vai acabar

Depois de quatro anos com a mesma professora na Escola Básica Jorge Barradas, em Benfica, David prepara-se para entrar na Escola do 2º e 3º ciclos Pedro de Santarém. Muita coisa vai mudar: mais salas de aula, vários professores, disciplinas novas, um horário diferente. Mas até nem está muito nervoso. "É muito sociável e sabe que terá amigos por perto, porque a turma do 4º ano vai praticamente toda para a mesma escola", conta ao DN a mãe, Raquel Mergulhão.

David está a viver a transição para o 5º ano com entusiasmo. Já folheou os livros novos e tem participado ativamente na compra do material. Mais nervosa está a mãe. "Tenho alguns receios. Assusta-me saber que ele vai para uma escola que agrega tantos anos", explica. Antevendo uma "mudança muito grande", Raquel Mergulhão garante que estará muita atenta a qualquer alteração de comportamento que possa surgir.

Por esta altura, muitas crianças e adolescentes preparam-se para mudar de ciclo de ensino, uma transição que nem sempre é pacífica. Levar a criança a conhecer a nova escola, criar expectativas positivas e não transmitir ansiedade são algumas das dicas dadas ao DN por especialistas para que o novo ano letivo arranque com tranquilidade.

"No caso das crianças que vão entrar para o 1º ciclo, importa que os pais as tranquilizem e até festejem esse dia. Afinal de contas é um passo importante na vida de qualquer criança", destaca Teresa Paula Marques, diretora clínica da Academia de Psicologia da Criança e da Família, sugerindo, por exemplo, um lanche em família ou uma ida ao cinema.

Esqueça frases como "agora acabou-se a brincadeira". "Esta ideia vai fazer com que a criança encare a escola como um castigo. Até porque não é verdade. Brincadeira haverá sempre, mas para além disso vão aprender coisas novas o que é igualmente divertido", explica a psicóloga da área infantil. Para minimizar a ansiedade no primeiro dia de aulas, "é importante que a criança conheça previamente a escola, a professora e algumas auxiliares". De manhã, evite "despedidas demoradas (muitas vezes dramáticas)."

Mostrar à criança a escola que os pais frequentaram pode ajudar a tranquilizá-la. "É bom que os pais partilhem as suas experiências, contem como foi o seu primeiro dia de aulas", propõe a psicóloga e investigadora Ana Gomes. E nada de mostrar nervos. "Não devem transmitir ansiedade e angústia. Devem mostrar-se tranquilos e passar a ideia que tudo vai correr bem", aconselha.

Incentivar a curiosidade

A entrada para o primeiro ciclo deve ser um "momento solene", defende Mário Cordeiro. "Um momento de 'corte com algo para iniciar outra coisa', que seja acompanhado de um ritual de passagem (jantar fora no primeiro dia de aula, ter uma semanada todos os domingos) mas tem de se desfazer a ideia de que, nos primeiros dias de aulas, a criança vai logo aprender a contar, escrever e a ler", diz o pediatra.

O processo de aprendizagem, explica, "é uma aprendizagem social, de cidadania, de regras, de 'saber estar', de solidariedade e uma continuação do espírito de brincadeira". Diz Mário Cordeiro que é essencial que "a criança aprenda a ser organizada e metódica, para ter mais tempo e fazer mais coisas (ao longo da vida)".

A postura dos encarregados de educação irá influenciar bastante a forma como a criança encara a transição do pré-escolar para o primeiro ciclo. "Constitui o fio condutor do comportamento mantido pela criança ao longo desta transição", diz Renato Paiva, pedagogo e diretor da Clínica de Educação. Por isso, "é crucial que os pais mantenham uma atitude positiva perante esta fase e promovam o sentimento de curiosidade para novas aprendizagens, evitando colocar muita pressão nada criança". Além disso, propõe o pedagogo, "é essencial encarar a escola como mais uma atividade a incluir nas rotinas, descrito como um ambiente prazeroso e não como um peso ou unicamente responsabilidade de ter bons resultados". Apresentar de "forma lúdica o novo mundo à criança" pode facilitar o processo.

Os mais novos são "vítimas fáceis"

No ano passado, chegaram ao consultório da psicóloga Ana Gomes, docente e investigadora na Universidade Autónoma de Lisboa, vários casos problemáticos relacionados com a transição do 4º para o 5º ano. "A criança já vai com alguma ansiedade e há pequenos detalhes, nos quais os pais nem pensam, que podem ser altamente problemáticos", alerta. Fala-nos, por exemplo, de casos em que tomar banho no balneário da escola "se tornou monstruoso", devido a atitudes e comentários de colegas. "Ao ponto de as crianças se recusarem a ir à escola", frisa.

Esta mudança de ciclo, diz Ana Gomes, "exige que os pais estejam muito atentos e percebam que o bullying não é só bater. Os mais pequenos são vítimas fáceis". A passagem para o 5º ano coincide com o momento em que muitas crianças recebem telemóveis. "Por vezes ficam com medos exacerbados por causa de jogos e filmes de terror que os outros lhes mostram. Só de espreitar desenvolvem medos que os fazem deixar de querer dormir sozinhos", conta.

Conhecer crianças que já tenham passado pela transição para o 5º ano pode ser uma boa estratégia para eliminar fantasmas. Ana Gomes sugere, ainda, que os pais criem elos de ligação com os colegas e os pais e que estejam atentos, pois a criança pode não verbalizar, mas manifestar que algo não está bem através da linguagem corporal: dores nas costas e nas pernas, vómitos, náuseas.

Nesta fase, o pediatra Mário Cordeiro considera que os pais devem "respeitar a pré-adolescência e a vontade de autonomia, experimentação, afirmação da identidade, novas vertentes da sexualidade, etc, mas por outro lado, manter uma "rédea curta" e não ter medo da criança." Apoiar a mudança, esclarece, "mas não ser demasiado protetor e permitir que a criança vá desenvolvendo a competência de estudar sozinho, mesmo que os pais façam umas revisões."

Passar para o 5º ano é, para muitas crianças, sinónimo de mais responsabilidades. "Mais uma vez é importante desmitificar o seu impacto, incentivando a criança a organizar as suas rotinas, a encarar as novas disciplinas e rotinas de forma positiva e harmoniosa no seu quotidiano", sugere Renato Paiva. Na opinião do pedagogo, os pais devem "promover a participação ativa na listagem de material necessário, compra de material, sua organização atendendo às exigências dos professores, execução de um planeamento pessoal ou elaboração de uma agenda e, principalmente a escolha do tipo de material que pretende utilizar."

Em ambos os casos, é importante que a criança já tenha começado a voltar às rotinas. "Começar pela preparação dos materiais escolares e depois com a regularização dos horários. Uma semana antes é suficiente", afirma Teresa Paula Marques.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.