Risco agora é a erosão dos solos e a contaminação da água

O solo queimado ficou vulnerável. Em algumas zonas vai ser preciso intervir e já há quem esteja a trabalhar para isso

Depois dos incêndios, quando a chuva vier a sério, as extensas regiões afetadas pelos fogos deste ano, que ascendem a mais de 500 mil hectares, enfrentam novos problemas: a erosão dos solos e a possibilidade de contaminação de rios e albufeiras com as cinzas e outros contaminantes, transportados pela escorrência das águas. Nas zonas de maior risco poderá haver intervenções para travar os efeitos mais severos, mas a dimensão das áreas ardidas não ajuda.

No terreno, já há quem esteja a trabalhar, como Jacob Keiser, investigador da Universidade de Aveiro e especialista em erosão do solo, com a demonstração de técnicas que podem diminuir o impacto das chuvas na erosão dos solos que ficaram calcinados.

"Fomos contactados pelo ICNF [Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas] em meados de agosto, na sequência dos incêndios de Pedrógão para um projeto-piloto de demonstração de técnicas para travar a erosão do solo no pós-incêndio", explica ao DN o investigador de Aveiro.

Na sequência do pedido, Jacob Keiser e a sua equipa do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro participaram em agosto num workshop com técnicos dos gabinetes técnicos florestais (GTF) dos municípios afetados pelo incêndio de Pedrógão, e fizeram a demonstração em encostas de pinhal ardido, em Castanheira de Pera.

Porque pretendem recolher dados para estudo científico, numa das parcelas a equipa não fez nenhuma intervenção, noutra aplicou uma barreira de ramos, com o objetivo de travar a velocidade da água da chuva, quando ela chegar, e noutra aplicou uma cobertura de caruma que ao mesmo tempo que protege o solo calcinado e vulnerável também absorve alguma água e trava a sua escorrência.

"Demonstrámos as técnicas, vamos continuar a monitorizar as parcelas com os técnicos dos GTF e depois vamos acompanhar como consultores a aplicação das medidas que forem tomadas", adianta Jacob Keiser. Para breve está também agendada uma demonstração idêntica em zonas de eucaliptal, mas de acordo com os estudos que faz há anos nesta área, o investigador de Aveiro é da opinião de que a aplicação de um coberto sobre o solo ardido é o que acaba por ter mais vantagens. "O ideal, na nossa perspetiva, é aplicar uma cobertura, por exemplo, de palha ou de resíduos florestais que ficaram do corte, ou ainda caruma, no caso do pinhal", adianta. Na Galiza, diz, "há muito a prática de aplicar palha, lançada de helicóptero". As vantagens? "É eficaz e é impossível fazer mal, enquanto criar barreiras leva mais tempo e pode ter riscos."

Na prática, será impossível agir em todas as áreas ardidas. Mas dada a extensão e a severidade dos fogos, "haverá zonas com bastante erosão", acredita Jacob Keiser. Será sobretudo aí que vai ser preciso intervir, diz. Em zonas "onde a severidade do incêndio foi grande e o risco de erosão é maior, em zonas com declives mais acentuados, ou onde o solo é importante do ponto de vista dos ecossistemas, naquelas onde os sistemas florestais têm importante produtividade e ainda onde há albufeiras e linhas de água, ou onde há riscos de inundações urbanas", explica o cientista de Aveiro. É que, além do problema da erosão dos solos, e consoante a sua intensidade, as chuvas vão arrastar não apenas sedimentos e nutrientes, mas também as cinzas e os restos calcinados de vegetação que têm um grande potencial de contaminação das linhas de água e das albufeiras.

Nesta altura, apontar em concreto as regiões onde vai ser preciso intervir "é difícil", nota Jacob Keiser, mas à partida serão aquelas que couberem nestes critérios e, na sua opinião, terão de ser as autoridades e os técnicos locais quem melhor poderá fazer essa despistagem.

Contaminação da água

O outro problema que vai colocar-se quando a chuva chegar é o da potencial contaminação dos recursos hídricos pelas cinzas e sedimentos queimados, levados para rios e albufeiras.

"Os sedimentos e nutrientes que não foram volatilizados pelo fogo, são transportados pela chuva", explica Alexandre Tavares, professor e investigador da Universidade de Coimbra na área das Ciências da Terra e da cartografia de risco.

"Estamos a falar de sais solúveis, de sulfatos, de nitratos e de outros compostos de azoto, e de cinzas, que têm concentrações de cálcio 20 vezes superiores em relação ao solo original por causa do fogo", sublinha o cientista. É esta mistura que "atinge as linhas de água e que, por causa da sua concentração, pode levar à proliferação de algas, que, por sua vez, pode levar à proliferação de micro-organismos, alguns deles tóxicos", antecipa Alexandre Tavares.

A chuva logo a seguir aos fogos já foi uma pequena amostra do que poderá suceder quando vier o inverno. Sem surpresa, logo na quarta-feira, a população de várias localidades de Alcobaça foi aconselhada pelos serviços municipais a não beber água da rede pública - estava cheia de cinzas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".