Relação de Lisboa diz que atividade da Uber em Portugal é ilegal

ANTRAL pede indemnização de 25 milhões de euros. Uber reage dizendo que é necessário um "quadro regulatório e transparente para a mobilidade"

O Tribunal da Relação de Lisboa decidiu que a atividade da Uber em Portugal é ilegal, confirmando assim outras decisões que afirmavam que a atividade da empresa de transporte de passageiros em Portugal não seria legal, avançou o Jornal de Notícias.

A ANTRAL (Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros) pediu em tribunal uma indemnização de 25 milhões de euros à plataforma norte-americana, reclamando dez mil euros por dia desde 2015, ao que acresce um valor, por danos causados de, pelo menos, 15 milhões de euros, adiante o mesmo jornal.

A decisão é de 24 de novembro e terá sido divulgada esta terça-feira.

Está ainda em tribunal uma ação contra o Estado em que é pedida outra indemnização, de oito milhões de euros.

Em reação à decisão, a Uber afirma que "irá ponderar os próximos passos, como um novo recurso para o Supremo Tribunal de Justiça, depois de analisar detalhadamente a sentença". A empresa recorda ainda que a decisão não é aplicável em Portugal, visto que a empresa visada não é aquela que presta os serviços da Uber em Portugal.

"Iremos analisar esta decisão em detalhe para avaliar os próximos passos. Este é mais um capítulo de um caso do início de 2015, quando novas formas de mobilidade como a Uber começaram a surgir em Portugal. Esta Esta situação reforça mais uma vez a urgência da aprovação pela Assembleia da República, de um quadro regulatório moderno e transparente para a mobilidade em Portugal, que vá ao encontro das expectativas dos milhares de utilizadores usam diariamente a Uber para viajar nas nossas cidades, e dos mais de 3.000 motoristas que encontram na Uber uma oportunidade económica", diz fonte oficial da empresa, acrescentando que aguarda ainda a aprovação de um quadro regulatório no Parlamento.

Ao DN, o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, não se mostra surpreendido pela decisão porque esta apenas vem confirmar o que têm sido as decisões dos tribunais "desde 2015". "Eles [Uber] só tinham que acatar as ordens dos tribunais", acrescentou.

"Agora iremos falar com todas as entidades que podem e devem cumprir a lei, porque um Governo que não cumpre a lei é um Governo 'fora da lei'", frisou.

Relativamente ao facto de a Uber se defender dizendo que a empresa visada não é aquela que presta o serviço em Portugal, Florêncio Almeida diz que tal é "mentira". "A decisão dos tribunais foi de que eles é que prestam o serviço. A Uber quer é continuar a iludir as pessoas, foi sempre o argumento que eles utilizaram", acrescentou.

"Agora não há mais recursos", sublinhou.

Referiu ainda que a 19 de setembro de 2018 acontece a primeira audiência do processo contra o Governo português e que "antes de acabarem os processos" a ANTRAL não podia pedir indemnização. "Se a Uber tivesse razão, eles é que tinham que pedir indemnização".

"Agora que eles não podem trabalhar é a altura de pedir", disse ainda Florêncio Almeida.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.