Professor detido por 87 crimes de abuso sexual de crianças em escola básica do distrito de Beja

Homem de 47 anos foi detido na quarta-feira e está em prisão preventiva

Um professor de uma escola básica do distrito de Beja foi detido por suspeita de pelo menos 87 crimes de abuso sexual de crianças suas alunas e aguarda julgamento em prisão preventiva, segundo fontes judiciais.

Segundo a Polícia Judiciária, o homem, de 47 anos, "usando da ascendência que lhe conferia o estatuto de professor", conseguiu que "as suas alunas, menores de oito anos, se sujeitassem a atos de natureza sexual por ele praticados" desde 2015 na escola do 1.º ciclo do ensino básico do distrito de Beja onde lecionava.

Fonte da Polícia Judiciária disse hoje à agência Lusa que o professor foi detido na quarta-feira e sujeito na sexta-feira a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Beja, que lhe decretou a medida de coação de prisão preventiva, e vai aguardar julgamento no Estabelecimento Prisional de Beja.

Segundo o Ministério Público de Beja, o homem está "indiciado pela prática de pelo menos 87 crimes de abuso sexual de crianças", o inquérito encontra-se em segredo de justiça e a investigação foi delegada na Polícia Judiciária de Faro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.