Professor detido por 87 crimes de abuso sexual de crianças em escola básica do distrito de Beja

Homem de 47 anos foi detido na quarta-feira e está em prisão preventiva

Um professor de uma escola básica do distrito de Beja foi detido por suspeita de pelo menos 87 crimes de abuso sexual de crianças suas alunas e aguarda julgamento em prisão preventiva, segundo fontes judiciais.

Segundo a Polícia Judiciária, o homem, de 47 anos, "usando da ascendência que lhe conferia o estatuto de professor", conseguiu que "as suas alunas, menores de oito anos, se sujeitassem a atos de natureza sexual por ele praticados" desde 2015 na escola do 1.º ciclo do ensino básico do distrito de Beja onde lecionava.

Fonte da Polícia Judiciária disse hoje à agência Lusa que o professor foi detido na quarta-feira e sujeito na sexta-feira a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Beja, que lhe decretou a medida de coação de prisão preventiva, e vai aguardar julgamento no Estabelecimento Prisional de Beja.

Segundo o Ministério Público de Beja, o homem está "indiciado pela prática de pelo menos 87 crimes de abuso sexual de crianças", o inquérito encontra-se em segredo de justiça e a investigação foi delegada na Polícia Judiciária de Faro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".