Porto lidera projeto para combater derrames de petróleo no mar

Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental está a trabalhar para desenvolver solução para os derrames de petróleo

Um centro de investigação do Porto está a liderar um projeto europeu que visa desenvolver uma solução para os derrames de petróleo no mar, utilizando microrganismos nativos que degradam essa substância quando aplicados nas zonas afetadas.

Esses microrganismos nativos, utilizados para biorremediação (remoção de contaminantes do ambiente através de organismos), vão ser produzidos "em larga escala", a par das misturas de nutrientes para a sua bioestimulação (rápido crescimento), disse à Lusa a investigadora do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), instituição responsável, Ana Paula Mucha.

No projeto, designado SpilLess' - "First-line response to oil spills based on native microorganism cooperation" ("Resposta de primeira linha a derrames de petróleo com base na cooperação nativa com microorganismos"), vão ser também adaptados veículos autónomos não tripulados, responsáveis por transportar e libertar os microrganismos nas áreas afetadas.

De acordo com a líder do projeto, a tecnologia em causa vai constituir "um sistema de combate aéreo, superficial e submarino", que pode "operar sob condições meteorológicas desfavoráveis e severas, com baixa intervenção humana".

"Esta nova abordagem rápida, eficiente e de baixo custo, poderá ser usada como uma primeira linha de resposta a derrames de petróleo associados a acidentes com navios, plataformas 'offshore' de petróleo, portos ou outros complexos industriais", explicou a investigadora.

No âmbito deste projeto, vão ser ainda efetuados testes de campo num cenário "quase real", com vista ao desenvolvimento de um protocolo de ação 'in loco' para aplicação no oceano Atlântico, sendo possível a sua transposição para outras áreas.

Embora não existam produtos semelhantes no mercado, segundo indica, já podem ser encontradas fórmulas microbianas que têm a desvantagem de não serem nativas do ambiente em que serão aplicadas, apresentando, assim, dificuldades de adaptação, baixa eficiência ou perigo de introdução de espécies não nativas.

Quanto ao sistema integrado de adaptação de veículos autónomos para aplicação destes agentes, a investigadora garante não existir ainda nada semelhante até à data.

Os produtos desenvolvidos no âmbito do 'SpilLess' "serão disponibilizados como uma solução do tipo "chave-na-mão" para o combate a incidentes de poluição marítima com petróleo", lê-se ainda na nota informativa.

Com a duração de 24 meses, esta iniciativa é financiada pela União Europeia, através do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP), e reúne em consórcio o CIIMAR, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), a Universidade de Vigo, a American College of Sports Medicine (Estados Unidos) e as empresas Biotrend e MARLO.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.