Novo instrumento de telescópio no Chile tem assinatura portuguesa

Construído por um consórcio de cientistas portugueses, espanhóis, suíços e italianos, o ESPRESSO, o novo espetrógrafo do telescópio VLT já está a funcionar

Os astrónomos chamam-lhe "a primeira luz", e há na expressão essa carga simbólica de algo que está a nascer - e da antecipação dos novos conhecimentos e das descobertas que aí vêm. Como agora, com o ESPRESSO, o novo instrumento dos telescópios VLT ( Very Large Telescope) do ESO (European Southern Observatory), no Chile, que vai ajudar a descobrir e a estudar novas Terras, e que também tem assinatura portuguesa.

Construído e instalado nos VLT por um consórcio que integrou uma equipa de portugueses do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), o ESPRESSO viu agora "a primeira luz", abrindo uma nova janela, mais precisa e de maior alcance, para o estudo de exoplanetas rochosos mais pequenos e mais parecidos com a Terra, que até agora escapavam ao olhar dos astrónomos, porque não havia como encontrá-los e analisá-los.

Com o ESPRESSO, um espetrógrafo de alta resolução que capta imagens do espetro de luz e que, de uma só vez, une os quatro telescópios VLT num só de maiores dimensões - tornando-o no maior telescópio do mundo -, e que atinge uma precisão de observação dez vezes superior à que existia até agora, a astronomia nesta área "dá um salto qualitativo muito importante". É o astrofísico Nuno Cardoso Santos, do IA e da Universidade do Porto, e o coordenador da equipa portuguesa que integrou o consórcio que assim fala. Por isso, esta "primeira luz foi um momento extraordinário", confessa, satisfeito, o investigador, que esteve lá no Chile, na sala de controlo do VLT, a viver em direto o acontecimento dos primeiros dados a surgirem nos écrans d os computadores.

Aquele "foi o culminar de mais de 10 anos de trabalho, de muito planeamento, de muitas dificuldades vencidas", recorda Nuno Santos. "Entrámos na fase da exploração científica, que era o objetivo final". E se agora se abre um novo capítulo no estudo dos exoplanetas, das suas atmosferas e massas, este é também um marco para a comunidade científica portuguesa nesta área. Este foi o primeiro instrumento para o VLT em que os cientistas portugueses participaram, enquanto líderes, desde a primeira hora, no seu desenho, conceção, construção e montagem, a par das outras três equipas do consórcio, de Espanha, Itália e Suíça.

Aos portugueses coube a conceção, desenvolvimento, construção e instalação de uma parte do ESPRESSO, um conjunto de elementos óticos chamado Coudé Train. Colocado no telescópio, este sistema ótico capta a luz que ele recebe e depois leva-a até um ponto, no laboratório, onde se junta a luz dos quatro telescópios VLT. E agora é que tudo vai começar.

"Integrar a equipa que construiu o ESPRESSO permite-nos agora estar na linha da frente, a definir a ciência que vai ser feita com ele, e já há bastante tempo que estamos a planear isso com os nossos parceiros do consórcio", explica Nuno Cardoso Santos.

As equipas do consórcio que desenvolveu o instrumento têm agora direito a 273 noites de observação nos próximos três a cinco anos. "O consórcio decidiu que vai fazer essa exploração científica em conjunto, como uma só equipa, o que nos permitirá ir mais além do ponto de vista científico", diz o astrofísico. No IA são para já oito os investigadores que vão trabalhar com os dados do ESPRESSO, mas a aventura está só a começar. No futuro, estima Nuno Santos, "haverá mais investigadores portugueses a usar esses dados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.