"Engenheiras por um dia": profissões sem género

Projeto-piloto do Governo junta escolas, empresas e Instituto Superior Técnico

Acabar com a ideia de que há profissões para homens e profissões para mulheres. É a ideia do projeto-piloto "Engenheiras por um dia", uma iniciativa do ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, cujo protocolo vai ser assinado hoje. "O objetivo é combater os estereótipos de género nas escolhas profissionais, quer elas sejam associadas a exclusivamente femininas ou masculinas. Neste caso, as áreas das engenharias e tecnologias que têm uma participação feminina muito baixa, apenas 15% das inscritas no ensino superior, quando elas são a maioria dos alunos no superior", sublinha o governante.

O projeto-piloto, que vai levar esta mensagem de "desagregação das escolas profissionais" aos estudantes do ensino secundário, junta dez agrupamentos de escolas, o Instituto Superior Técnico (IST) e três empresas patrocinadoras, da área das tecnologias, - IBM Portugal, Siemens e Microsoft Portugal. Ao longo deste ano letivo, as alunas destas escolas vão ter oportunidade de conhecer as empresas envolvidas, o IST e vão ouvir falar muito de "carreiras tecnológicas" e de como estas áreas não são exclusivo masculino, sublinha Eduardo Cabrita.

O governante refere que este problema não é exclusivamente nacional e que "vai até ser debatido na Web Summit", daí que tenha sido também aproveitada esta oportunidade para colocar o tema na agenda. Sabendo de antemão que "não há nenhuma razão para esta participação baixa de raparigas nestas áreas tecnológicas", o caminho passa pela desmistificação das ideias de género associadas a determinadas áreas. "Não há nenhuma razão para que elas não sigam estas áreas e queremos mostrar que são áreas de grande potencial de crescimento nas próximas décadas, onde há uma carência óbvia de mulheres, e torna-se importante que tanto o Instituto Superior Técnico como estas grandes empresas entendam que isto é um problema."

Eduardo Cabrita lembra ainda que este poderá ser um trabalho a fazer para áreas também identificadas como mais femininas, "como o serviço social". O que este projeto pretende é "se façam escolhas sem que estas estejam associadas a um estereótipo de género."

O primeiro passo de sensibilização arranca hoje com a assinatura do protocolo entre as escolas, o IST, as três empresas patrocinadoras, a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e a Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres. "No final do ano vamos avaliar o programa e decidir se alargamos a outras áreas."

O público alvo destas ações são as alunas entre os 14 e os 16 anos, a quem vai ser proposto um conjunto de desafios na área das engenharias, feitos pelo IST. Ao longo do programa vai promovida uma escolha mais livre das áreas de estudo por parte das raparigas, através da desconstrução de preconceitos sobre profissões e áreas de conhecimento das Tecnologias e Engenharia.

O projeto-piloto pretende ainda potenciar redes informais de mentoria, protagonizadas por mulheres profissionais e por raparigas estudantes nesses domínios, a nível local. E pelo caminho, sensibilizar as escolas para a segregação ocupacional e a escassez de mulheres nestas áreas.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.