Em busca da felicidade... dentro do cérebro

Neurologistas japoneses dizem ter encontrado a sede deste estado de alma que desafiou filósofos e poetas ao longo da história.

Íntima e subjetiva, efémera, mas sempre repetível, a felicidade, na definição da sua essência, tem sido um desafio para filósofos e poetas. E também para a psicologia, que na última década conseguiu transformá-la num conceito operacional, de forma a poder ser estudada e medida. Agora, um grupo de neurologistas japoneses da Universidade de Kioto deu um passo mais, foi à procura da felicidade no cérebro e diz ter encontrado a sua sede - ou, pelo menos, uma delas - numa pequena área do córtex, no lobo parietal, chamada pré-cúneos.

No estudo que acaba de publicar nos Scientific Reports, do grupo da revista Nature, a equipa liderada por Wataru Sato afirma que as pessoas com índices mais altos de felicidade têm também um volume maior de massa cinzenta naquela zona específica do córtex cerebral. E esta observação foi uma constante, independentemente do sexo, da idade ou dos resultados dos testes de inteligência dos sujeitos, reforçam os autores.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores avaliaram um conjunto de 51 indivíduos (26 mulheres e 25 homens), utilizando a Escala de Felicidade Subjetiva - criada por Lyubomirsky e Lepper em 1999 e comummente utilizada pelos psicólogos desde então -, e depois captaram imagens, por ressonância magnética funcional, dos cérebros de cada um dos participantes. Os mais felizes, escrevem os autores, tinham sempre mais massa cinzenta naquela área do cérebro.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos