E os países mais felizes do mundo são...

Relatório Mundial da Felicidade teve direito a atualização em 2016. E Portugal voltou a cair no ranking

A Dinamarca é, mais uma vez, o país mais feliz do mundo. Pelo menos, a julgar pelas conclusões do Relatório Mundial da Felicidade de 2016, divulgado em Roma esta quarta-feira a propósito do Dia Mundial da Felicidade, que se assinala no próximo domingo, 20 de março. Nas quatro edições deste relatório, que é publicado desde 2012, os dinamarqueses têm estado sempre no topo, com exceção para o ano passado, em que foram ultrapassados pela Suíça.

Os suíços ficam-se, este ano, pelo segundo lugar na lista da felicidade, seguidos pela Islândia. A Noruega vem em quarto e, para encerrar com domínio escandinavo, o top cinco dos países mais felizes do mundo fecha com a Finlândia.

Canadá (em sexto), Nova Zelândia (em oitavo) ou a Suécia (em décimo) também têm razões para sorrir, assim como a Austrália (em nono), a Alemanha (em 16.º) e Israel, que conquista o 11.º posto, Os EUA vêm em 13.º, o Reino Unido num modesto 23.º lugar . A China está sensivelmente a meio da tabela, no 83.º posto, numa lista que engloba 157 países.

Para Portugal, as notícias não são boas: cai da 88.ª posição no ranking de 2015 para a 94.ª. Mais satisfeitos do que os portugueses estão, por exemplo, os habitantes do Líbano (na 93.ª posição), do Paquistão (na 92.ª) e da Hungria, o 91.º país do ranking, tal como quase todos os países europeus. Ainda mais infelizes do que os portugueses estão os gregos, que protagonizaram a maior queda na lista da felicidade e estão em 99.º.

Os mais infelizes, porém, são os habitantes do Burundi, o país em último lugar na lista (157), e a Síria, na posição 156. Togo, Afeganistão, Benim, Ruanda, Libéria, Iémen ou Madagáscar são algumas das nações que também não passam do fundo da tabela.

Já a Nicarágua, apesar de estar em 146.º do ranking, foi o país que mais subiu na lista da felicidade nos últimos anos, seguido pela Serra Leoa, Equador, Moldávia e Letónia, onde os habitantes também se sentiram mais satisfeitos e a progredir.

O ranking da felicidade de 2016 é diferente de todos os outros publicados até agora: elaborado com base num inquérito do Gallup World Poll, que conduz estudos a nível global, constitui-se como uma espécie de "atualização" do último relatório da felicidade, que saiu em abril de 2015. O primeiro índice deste tipo foi publicado em 2012, no âmbito da conferência das Nações Unidas sobre a felicidade, e os investigadores precisam de cerca de 18 meses para voltar a compilar dados e analisar diferenças nos vários países do mundo. Em 2015, quando estavam já a preparar o relatório para 2017, foram convidados a apresentar uma versão intermédia, que resultou no documento hoje divulgado.

Importa ainda explicar quais os fatores que os investigadores tomam em consideração para definir o índice de felicidade de cada país. Ao todo, são seis: o PIB per capita, ou seja, a riqueza por pessoa, a expetativa de anos de vida saudável, o apoio social da comunidade, a confiança - medida através da perceção de corrupção -, a liberdade para tomar decisões e ainda a generosidade.

Aos residentes de cada país é pedido que avaliem, numa escala de zero a dez, estes seis parâmetros, que depois são contabilizados para uma média final. O país mais feliz do ranking, por exemplo, tem 7,529 pontos, enquanto Portugal, na 94.ª posição, chega aos 5,123.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.