Descobertos em Loulé os primeiros fósseis de placodontes conhecidos em Portugal

Paleontólogos encontraram "ossos das costelas e da carapaça" de placodontes, grupo de répteis semelhantes às tartarugas

Os primeiros fósseis em Portugal de placodontes, répteis aquáticos que viveram e se extinguiram há cerca de 220 milhões de anos, foram encontrados em Loulé por paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa, foi hoje anunciado.

Os paleontólogos Hugo Campos e Octávio Mateus, da Universidade Nova de Lisboa, disseram à agência Lusa que, em 2016, encontraram "ossos das costelas e da carapaça" de placodontes, mas só agora divulgaram a descoberta através da publicação do estudo, inserido no catálogo da exposição "Loulé: Territórios. Memórias. Identidades", patente no Museu Nacional de Arqueologia.

"Os placodontes são um grupo de répteis que ainda não tinha sido identificado em Portugal, mas que já é conhecido noutras partes do mundo", explicou Octávio Mateus, que orientou a tese de mestrado em paleontologia de Hugo Campos sobre os vertebrados do triásico algarvio.

O estudo "Loulé há mais de 220 Milhões de anos: os vertebrados fósseis do Algarve triásico", agora publicado, a que a Lusa teve acesso, descreve que os placodontes viveram durante o triásico, entre 250 e 200 milhões de anos, no mar, em águas pouco profundas, alimentavam-se de moluscos e possuíam umas placas ósseas que lhes davam uma aparência semelhante à das tartarugas.

Um grande número dessas placas ósseas, que os cientistas apelidam de 'osteodermes', foram encontradas nos concelhos de Loulé e Silves em 2016 e 2017.

Os investigadores acreditam que estes placodontes seriam do género 'Henodus' pela sua forma hexagonal, plana, alongada e sem ornamentação da carapaça e pela ausência de dentes.

Na aldeia de Penina, Loulé, localiza-se aquela que é considerada a principal jazida do triásico superior de Portugal e uma das mais importantes na paleontologia de vertebrados de Portugal.

Nessa jazida, onde a concentração de fósseis é muito elevada, já foram identificados dez 'Metoposaurus algarvensis' (anfíbio semelhante a uma salamandra), bivalves e escamas de peixe ganóides, fitossauros (semelhantes a crocodilos) e placodontes, mas o número pode chegar às duas dezenas de animais.

O triásico, o primeiro período da era mesozóica, foi o período da história em que os continentes estiveram juntos num único supercontinente (Pangeia) e em que os dinossauros e outros animais surgiram e espalharam-se pelo mundo, diversificando-se.

O estudo sobre os vertebrados do triásico do Algarve tem vindo a ser feito por uma equipa internacional, liderada por investigadores da Universidade Nova de Lisboa, financiado pela Câmara Municipal de Loulé, e os fósseis foram preparados nos laboratórios da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.