Descoberto planeta extrassolar semelhante à Terra e a Mercúrio

Uma equipa internacional de investigadores, incluindo nove do Instituto português de Astrofísica e Ciências do Espaço, descobriu um planeta extrassolar semelhante à Terra e a Mercúrio que pode dar pistas sobre a formação do Sistema Solar

O planeta K2-229 b, localizado a 340 anos-luz da Terra, poderá, segundo os cientistas, esclarecer as particularidades de Mercúrio, o planeta mais perto do Sol, e ajudar a compreender a formação do Sistema Solar.

O K2-229 b é um planeta do tipo terrestre - tem um tamanho muito parecido ao da Terra - mas a sua composição e densidade fá-lo assemelhar a Mercúrio.

Para o investigador arménio Vardan Adibekyan, citado em comunicado pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, onde trabalha, trata-se de um planeta que possui "a mesma particularidade" de Mercúrio, a de "ter uma composição diferente da que seria de esperar a partir da composição da sua estrela-mãe".

Ao contrário de Mercúrio, Terra, Marte e Vénus partilham com o Sol "a mesma abundância relativa de certos elementos químicos, como o ferro, o magnésio ou o silício".

A estrela-hospedeira do planeta K2-229 b "é um pouco mais nova" e tem menos massa do que o Sol e apresenta "uma proporção ligeiramente menor de outros elementos químicos mais pesados do que o hidrogénio e o hélio".

A equipa internacional de astrofísicos espera que a descoberta de outros planetas como o K2-229 b possa ajudar a perceber melhor como planetas como Mercúrio se formaram e evoluíram.

Apesar das semelhanças com Mercúrio, existem também diferenças entre o exoplaneta K2-229 b e o planeta mais pequeno do Sistema Solar: o K2-229 b orbita muito mais perto da sua estrela, completando uma volta em 14 horas (um ano em Mercúrio dura 88 dias terrestres) e tem uma temperatura durante o dia mais quatro vezes superior, podendo atingir os 2.000ºC, "o suficiente para fundir ferro", explica o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

Muito embora o K2-229 b tenha um tamanho parecido ao da Terra, é um planeta muito mais denso do que o 'planeta azul' e tem duas vezes e meia a sua massa.

O sistema planetário K2-229, que engloba mais dois planetas, o K2-229 c e o K2-229 d, foi detetado através do telescópio espacial Kepler e confirmado e caracterizado com o espetrógrafo HARPS, do Observatório Europeu do Sul, organização astronómica da qual Portugal faz parte.

Os resultados do estudo foram publicados hoje na revista científica Nature Astronomy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.