Assistente da Google vai telefonar por si. Mas se a conversa der errado... chama um humano

A aplicação pode marcar mesa num restaurante, ou uma ida ao cabeleireiro, e pode até ter a voz de um artista famoso. Porém, se a conversa se tornar impossível, a Google pede ajuda... a uma pessoa

A nova aplicação de Inteligência Artificial (IA) da Google foi apresentada esta terça-feira, em Mountain View, na Califórnia, no evento Google I/O - a conferência anual da empresa para programadores.

Entre muitas novidades, a mais sonante foi o Google Duplex, um upgrade introduzido no Assistente da Google que lhe vai permitir realizar, literalmente, chamadas por si. Mais: terá uma de seis vozes possíveis, uma delas a do cantor John Legend. Mas se a chamada começar a correr mal, a Google pede ajuda a um humano para completar a tarefa.

A apresentação esteve a cargo do presidente executivo da Google, Sundar Pichai, que demonstrou as capacidades comunicativas da aplicação fazendo a marcação de mesa num restaurante e uma ida ao cabeleireiro.

Para que o IA da multinacional fale por si, basta passar-lhe os dados necessários para a conversa que quer vir a desenvolver. Ou seja, dar uma hora, uma data, um local ao Assistente que, de seguida, fará a chamada.

Porém, explica esta quarta-feira o site especializado The Verge se uma chamada der errado, a aplicação liga... para um operador num call center. Isto, apesar do Assistente do Google conseguir reagir a algumas perguntas respostas inesperadas, mas as limitações da máquina ainda são muitas.

"Num post publicado no blog da Google, a empresa diz que o Duplex possui uma 'capacidade de automonitorização' que permite reconhecer quando as conversas ultrapassaram as suas capacidades. Nestes casos, sinaliza para um operador humano, que pode completar a tarefa", lê-se na página de internet da publicação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.