Assistente da Google vai telefonar por si. Mas se a conversa der errado... chama um humano

A aplicação pode marcar mesa num restaurante, ou uma ida ao cabeleireiro, e pode até ter a voz de um artista famoso. Porém, se a conversa se tornar impossível, a Google pede ajuda... a uma pessoa

A nova aplicação de Inteligência Artificial (IA) da Google foi apresentada esta terça-feira, em Mountain View, na Califórnia, no evento Google I/O - a conferência anual da empresa para programadores.

Entre muitas novidades, a mais sonante foi o Google Duplex, um upgrade introduzido no Assistente da Google que lhe vai permitir realizar, literalmente, chamadas por si. Mais: terá uma de seis vozes possíveis, uma delas a do cantor John Legend. Mas se a chamada começar a correr mal, a Google pede ajuda a um humano para completar a tarefa.

A apresentação esteve a cargo do presidente executivo da Google, Sundar Pichai, que demonstrou as capacidades comunicativas da aplicação fazendo a marcação de mesa num restaurante e uma ida ao cabeleireiro.

Para que o IA da multinacional fale por si, basta passar-lhe os dados necessários para a conversa que quer vir a desenvolver. Ou seja, dar uma hora, uma data, um local ao Assistente que, de seguida, fará a chamada.

Porém, explica esta quarta-feira o site especializado The Verge se uma chamada der errado, a aplicação liga... para um operador num call center. Isto, apesar do Assistente do Google conseguir reagir a algumas perguntas respostas inesperadas, mas as limitações da máquina ainda são muitas.

"Num post publicado no blog da Google, a empresa diz que o Duplex possui uma 'capacidade de automonitorização' que permite reconhecer quando as conversas ultrapassaram as suas capacidades. Nestes casos, sinaliza para um operador humano, que pode completar a tarefa", lê-se na página de internet da publicação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.