Alqueva irá voltar a cobrir gravuras com cinco mil anos

Seca reduziu caudal do Guadiana, destapando painéis com as gravuras rupestres

As gravuras rupestres do período Calcolítico encontradas por um antigo militar espanhol junto à ponte da Ajuda (em Elvas), nas margens do Guadiana, vão ficar no fundo da albufeira de Alqueva assim que a barragem voltar a encher até à cota máxima (152 metros), segundo admitiu o especialista em arte rupestre António Martinho Batista. O ex--diretor do Parque do Coa realiza por estes dias no local o levantamento arqueológico dos vestígios com cinco mil anos certificado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Neste momento é totalmente livre o acesso ao descampado onde foram descobertas as rochas com os desenhos - que se encontram próximas da estrada entre Elvas e Olivença - entre gado bovino que por ali se alimenta de pasto, como consequência da seca severa que reduziu drasticamente o caudal do Guadiana, destapando os painéis com as gravuras.

É a oportunidade, diz Martinho Batista, para estudar o sítio e documentar os painéis, com recurso a desenhos e fotografias das gravuras, devendo ainda proceder-se à topografia do sítio e georreferenciação, tal como foi feito em 2001 aquando das prospeções mais a sul do Guadiana, também dirigidas por este especialista, que antecederam o enchimento da grande barragem.

Aliás, Martinho Batista garante que as gravuras agora encontradas em Elvas - e que em 2001 escaparam às sondagens, possivelmente devido a estarem cobertas pelos sedimentos do rio - traduzem a continuidade dos cerca de 300 painéis encontrados na zona abrangida pelo regolfo da albufeira em concelhos como Alandroal, Reguengos ou Mourão. O especialista descreve as gravuras como "um tipo de arte muito esquematizada e muito abstrata", que designa por "arte esquemática peninsular", considerando duas das gravuras "muito bonitas", reportando-se, sobretudo a uma gravura serpentiforme bem conservada que tem atraído vários curiosos ao local.

Destaca Martinho Batista que ao longo do rio não faltam ainda exemplos de arte paleolítica, embora os painéis de Elvas sejam facilmente identificados com o Calcolítico. "É um tipo de arte rupestre muito semelhante à chamada arte megalítica que está no interior dos dólmenes", sublinha, destacando como o Guadiana era naquela época uma zona com elevadas densidades populacionais, levando em linha de conta os vestígios que têm sido encontrados e que permitem garantir ser este rio a "grande autoestrada da pré-história", assinala o arqueólogo.

Também por isso admite a possibilidade de aparecerem mais gravuras nos próximos tempos fruto da correnteza do rio e do regime de seca, alertando que o Guadiana exibe a particularidade de ter longas margens.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.