Há mais um detido pelo homicídio do agente da PSP

A Polícia Judiciária deteve um terceiro suspeito pela morte do agente da PSP Fábio Guerra. É um civil e será amigo dos dois fuzileiros já detidos esta noite. Estão todos indiciados por homicídio qualificado.

Além dos dois fuzileiros, a Polícia Judiciária (PJ) deteve esta noite também um civil. Têm 24, 22 e 21 anos de idade e são os três suspeitos de terem matado o agente da PSP Fábio Guerra, de 27 anos. Estão indiciados por homicídio qualificado e ofensas à integridade física.

Os fuzileiros, praticantes de boxe, foram detidos na base militar do Alfeite, onde estavam retidos desde a madrugada de sábado por ordem do comandante da unidade.

O civil será amigo destes e terá sido identificado pelos próprios militares e responsabilizado por estes pelas agressões fatais (Fábio Guerra foi pontapeado na cabeça quando estava no chão).

A PJ visualizou todas as imagens das câmaras de videovigilância junto à discoteca Mome (antiga Kapital, na avenida 24 de Julho, em Lisboa), ouviu testemunhas, incluindo os outros três polícias que também foram agredidos, e concluiu ter indícios suficientemente fortes para deter os militares por homicídio qualificado.

Em comunicado, a PJ informa que " as diligências entretanto efetuadas, permitiram reunir fortes indícios da autoria dos crimes praticados e sustentaram a emissão, pela Autoridade Judiciária competente, de mandados de detenção, fora de flagrante delito".

Segundo ainda a Judiciária "foram realizadas buscas domiciliárias e não domiciliárias aos três arguidos, incidindo sobre as suas residências, viaturas e unidade militar. Tais diligências investigatórias, de caráter urgente, realizadas ininterruptamente pela Polícia Judiciária, desde o momento da comunicação dos crimes graves em causa, contaram com o total empenho, colaboração e cooperação operacional da Polícia de Segurança Pública".

Os detidos serão presentes a primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Conclui a PJ que "a investigação prossegue com vista à eventual identificação de outros envolvidos e ao cabal esclarecimento dos factos".

Os fuzileiros tinham alegado ter agido em legítima defesa e que o agente tinha sido o primeiro a agredi-los. Interrogados na Marinha, que instaurou de imediato um inquérito interno, terão confirmado que ripostaram, mas argumentaram que desconheciam estarem perante agentes da PSP - embora estes tenham garantido que se identificaram como tal para tentar travar uma violenta rixa no local.

De acordo com o comunicado que a PSP divulgou horas depois dos acontecimentos, Fábio Guerra e outros três agentes da PSP - em dia de folga e todos trajando à civil - intervieram para acabar com uma rixa que estava a decorrer à porta da discoteca Mome, pelas 6.45 da manhã de sábado,

Acabaram, segundo a PSP, por ser "violentamente" agredidos por dez homens, acabando os quatro feridos, sendo que no caso de Fábio Guerra em estado crítico.

O agente foi internado no Hospital de S. José já em estado de paragem cardiorrespiratória, depois de ter caído ao chão e ter sido aí pontapeado na cabeça.

Morreu esta segunda-feira, pelas 9.58 da manhã, vítima, de acordo com a PSP, de "graves lesões cerebrais". Os outros três agentes foram também internados mas tiveram alta poucas horas depois.

Os dez alegados agressores puseram-se em fuga mas depois dois deles, os militares fuzileiros já referidos, entregaram-se na sua unidade militar.

Perante a notícia do falecimento de Fábio Guerra, a Marinha Portuguesa emitiu uma nota de pesar "reiterando que se encontra disponível para colaborar com as autoridades policiais, com vista ao apuramento de todos os factos".

Na rede social Twitter, o ministro da Defesa falou como se já não houvesse dúvida sobre a responsabilidade dos dois fuzileiros na morte do agente da PSP. "Os factos deste trágico evento serão apurados e imputados a quem tenha agido ao arrepio da lei e dos valores militares como a honra e a disciplina", escreveu João Gomes Cravinho.

O Presidente da República emitiu uma nota na qual manifestou tristeza e pesar pela morte do agente da PSP Fábio Guerra, assinalando as "circunstâncias trágicas" em que tal aconteceu. "Ao tomar conhecimento do falecimento prematuro do agente Fábio Guerra, o Presidente da República manifestou a sua tristeza e pesar pela perda de uma vida em circunstâncias tão trágicas", lê-se no comunicado presidencial.

"O agente Fábio Guerra será recordado pela sua abnegação, coragem e dedicação ao serviço do próximo e da segurança pública. O Presidente da República endereça as mais sentidas condolências à família do agente Fábio Guerra, bem como aos seus amigos e aos profissionais da PSP", lê-se ainda.

A ministra da Administração Interna (que tutela a PSP), Francisca Van Dunem, manifestou a sua consternação pela morte de Fábio Guerra, realçando a coragem do agente policial e reiterou que as autoridades tudo farão para "o rápido esclarecimento dos factos".

"Neste momento de grande dor, quero transmitir à família do agente Fábio Guerra, em meu nome e em representação do Ministério da Administração Interna e do Governo, o sentimento de solidariedade e de genuína condolência face à tragédia que se abateu sobre o seu ente querido", refere a nota da ministra.

Nas palavras de Francisca Van Dunem, este é o momento de garantir a Fábio Guerra um "funeral digno da vontade de paz que evidenciou, da coragem que revelou e do exemplo que deu como cidadão e como agente da PSP".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG