Gouveia e Melo estima que Portugal terá capacidade para administrar 150 mil vacinas por dia

Os grupos prioritários previstos no plano de vacinação contra a covid-19 não serão alterados apesar dos atrasos no fornecimento de vacinas, garantiu o novo coordenador da `task force', o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, que considera que "o país tem capacidade para um ritmo muito elevado de vacinação", caso haja vacinas.

"Não faria sentido mudar as prioridades porque não há vacinas", disse o coordenador do plano de vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, lembrando que a forma como as pessoas foram priorizadas para serem vacinadas "tem muito a ver com os riscos e patologias".

Gouveia e Melo, que sucedeu a Francisco Ramos na coordenação da `task force´, mostrou-se desfavorável a que a estratificação passe a ser feita por idades, alegando estudos que defendem que "atacar as comorbilidades salva mais pessoas do que atacar por faixas etárias decrescentes".

Em entrevista à TVI 24, o vice-almirante avisou que ainda não teremos um verão normal em 2021. "Julgo que um verão normal não teremos, porque o processo de vacinação ainda não estará na fase de imunidade grupo".

O mesmo responsável admitiu ainda que, a manter-se um cenário de escassez de vacinas, a produzida pela AstraZeneca possa ser administrada a pessoas com mais de 65 anos.

"Tudo indica que a vacina tem qualidade, não há dúvidas sobre a qualidade da vacina", afirmou, explicando que as dúvidas sobre a sua administração a pessoas com mais de 65 anos tem por base o facto de, nos ensaios, não ter havido pessoas desta faixa etária "suficientes para se considerar que ela era válida para esse grupo".

Questionado sobre um possível alargamento do prazo para a toma da segunda dose da vacina o vice-almirante afirmou ser "uma solução possível", aludindo a estudos que indicam que tal não se traduz em efeitos negativos no que toca a "gerar anticorpos".

"Ainda estamos num terreno de alguma indecisão, mas de futuro pode ser um caminho", concluiu o mesmo responsável.

De resto, quando for ultrapassado o problema dos atrasos na chegada das vacinas, Portugal terá uma capacidade para administrar entre 100 e 150 mil vacinas por dia e duplicar esse número aos fins de semana, anunciou o novo coordenador para o plano de vacinação contra a covid-19.

"O país tem capacidade para um ritmo muito elevado de vacinação, e vamos fazê-lo, assim haja vacinas para isso", afirmou o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, estimando que o país, usando a capacidade máxima, consiga administrar "entre as 100 e as 150 mil vacinas por dia, em períodos normais e nos fins de semana duplicar isso".

Numa altura em que o ritmo de vacinação ronda as "22 mil vacinas por dia", o responsável pelo plano prevê que, no segundo trimestre do ano, "se vierem as vacinas que estão contratadas e que se pensam que virão, o ritmo aumentará para cerca de 80 a 81 mil vacinas por dia".

"Em cada mil vacinas administradas houve uma que não cumpriu com as regras"

Gouveia e Melo afirmou ainda que Portugal conta atualmente com 910 postos de vacinação prontos a atuar, nos centros de saúde, número que poderá ser alargado para 1200 postos.

Trata-se, segundo o coordenador do plano de vacinação, que sucedeu a Francisco Ramos no cargo, de "uma malha que atinge de forma muito capilar a população portuguesa, está espalhada no território nacional" e "pronta para trabalhar".

Com o aumento do número de vacinas, no segundo trimestre no ano, admite a necessidade de encontrar "soluções" como "postos de vacinação massiva, alargar os períodos aos fins de semana ou usar outros agentes que possam vacinar, como por exemplo as farmácias".

O vice-almirante que quer chegar ao período de maior capacidade de vacinação "sem improvisações", assegurou ainda que a 'task force' da vacinação continuará a "fechar a norma" para impedir mais casos de vacinação abusiva.

Reconheceu que os usos indevidos "minam a confiança", mas os casos "não têm significado estatístico".

"Qualquer caso é mau", afirmou Gouveia e Melo. Referindo-se a quem abusa "de uma situação de privilégio" para passar à frente nas prioridades do plano de vacinação, acrescentou:" É criticável, condenável e não deve fazer isso".

"Vamos fazer tudo para garantir que isso não aconteça", garantiu o coordenador, enfatizando que é preciso ter em conta, no entanto, a proporção dos casos. "Em cada mil vacinas administradas houve uma que não cumpriu com as regras".

Em Portugal já foram recebidas 503 mil vacinas, 43 mil das quais foram para a Madeira e para os Açores e 460 mil ficaram no continente.

Destas 460 mil que estão no continente, já foram administradas 400 mil vacinas, estando em reserva 60 mil.

atualizado às 00.01

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG