Enfermeiro testa positivo para a covid-19 seis dias após ser vacinado nos EUA

Matthew W. foi vacinado a 18 de dezembro e testou positivo seis dias depois, após ter sentido calafrios, dores musculares e fadiga.

Matthew W., um enfermeiro de 45 anos da cidade norte-americana de San Diego, Califórnia, recebeu a vacina da Pfizer a 18 de dezembro e seis dias depois testou positivo para a covid-19.

Pouco depois de ser vacinado, o profissional de saúde disse à KGTV que o único efeito colateral que sentiu foi uma dor no braço.

Contudo, seis dias depois começou a sentir calafrios, dores musculares e fadiga, após ter feito um turno na unidade de covid-19 no hospital em que trabalha. Foi testado e deu positivo.

De acordo com Christian Ramers, especialista em doenças infecciosas dos Centros de Saúde Familiar de San Diego, o cenário não é inesperado, uma vez que os pacientes não desenvolvem imunidade imediatamente após serem vacinados.

"Nós sabemos, a partir dos testes clínicos da vacina, que vai demorar cerca de 10 a 14 dias para se começar a desenvolver proteção contra o vírus", disse à KGTV.

Mesmo após esses 10 a 14 dias, os pacientes ainda precisam de uma segunda dose da vacina para proteção total. "Acreditamos que a primeira dose dá uma proteção de cerca de 50%, mas é necessária a segunda dose para chegar aos 95%", acrescentou.

No entanto, neste caso concreto há a possibilidade de o enfermeiro já estar infetado quando recebeu a vacina, uma vez que o período de incubação pode durar até 14 dias.

Seja como for, ambos os cenários servem para reforçar que as vacinas não vão destruir completamente o vírus. A pandemia ainda vai durar e continuará a ser fundamental respeitar as medidas de proteção.

"Os profissionais de saúde estão muito otimistas sobre a vacinação ser o início do fim, mas este vai ser um processo lento, que levará semanas a meses", rematou Ramers.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG