Covid-19: DGS atualiza normas para utilização de termas e consultórios dentários

Utentes maiores de 10 anos têm de usar máscaras em todos os espaços, só a podendo remover quando estiver no gabinete de consulta ou no decorrer dos tratamentos.

Os utentes de estabelecimentos termais maiores de 10 anos têm de usar máscaras em todos os espaços, só a podendo remover quando estiver no gabinete de consulta ou no decorrer dos tratamentos, segundo uma norma da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A DGS atualizou esta sexta-feira a norma "Covid-19: Estabelecimentos Termais", tendo em conta a atual fase epidémica da Covid-19, com o objetivo de definir os procedimentos a adotar no funcionamento dos estabelecimentos termais, salvaguardando que esta Orientação poderá ser revista a qualquer momento, em função do conhecimento científico e da evolução da situação epidemiológica.

Na norma, a DGS recomenda a utilização de "equipamentos de proteção individual (EPI), tais como máscaras cirúrgicas ou FFP2, para qualquer pessoa com idade superior a 10 anos".

"A máscara deve ser usada em todo o estabelecimento termal, incluindo na sala de espera ou na receção, só a podendo remover quando o utente estiver no gabinete de consulta e no decorrer dos tratamentos termais, se aplicável", refere a DGS.

A norma refere ainda que os estabelecimentos termais devem privilegiar "a marcação prévia das consultas e dos tratamentos termais de forma não presencial, organizando horários ajustados e circuitos de forma a evitar ter utentes aglomerados em áreas comuns como sejam a receção, a sala de espera, as salas de repouso ou os vestiários", bem como garantir "uma ventilação adequada de todos os espaços, privilegiando a ventilação natural".

Todos os termalistas devem ser informados relativamente às normas de conduta no espaço e às medidas de prevenção e controlo da transmissão da Covid-19, devendo esta informação estar afixada em locais de fácil visualização pelos utentes, incluindo na entrada dos estabelecimentos termais.

"Todos os estabelecimentos termais devem assegurar a existência das condições necessárias para adotar as medidas preventivas recomendadas", como instalações sanitárias com água, sabão líquido com dispositivo doseador e toalhetes de papel de uso único, para a promoção das boas práticas de higiene das mãos.

A Direção-Geral da Saúde também atualizou na quinta-feira a norma "Covid-19: Procedimentos em Clínicas, Consultórios ou Serviços de Saúde Oral dos Cuidados de Saúde Primários, Setor Social e Privado".

Também neste caso a DGS refere que "a máscara deve ser usada dentro do espaço de receção, sala de espera e nas zonas de circulação, só sendo removida quando o utente estiver no gabinete de consulta e for dada instrução para tal".

"Antes da realização da consulta deve ser feita uma triagem prévia, para que o utente seja avaliado quanto à presença de sintomas sugestivos de covid-19", recomenda, adiantando que o utente deve ser questionado se sem sintomas sugestivos de quadro respiratório agudo, com tosse, febre ou dificuldade respiratória.

Também se deve questionar o utente se teve diagnóstico prévio de Covid-19. Em caso afirmativo, questionar se ainda se encontra em período de isolamento.

A DGS recomenda ainda que "sempre que possível" a consulta deve ser marcada previamente, de forma remota, para minimizar o número e permanência de doentes em sala de espera, assim como promover a renovação frequente do ar da sala de espera, através da abertura das janelas e das portas (exceto portas dos gabinetes de consulta que devem manter-se fechadas) ou através da utilização de aparelhos de ar condicionado com extração, submetidos a limpeza e manutenção, de acordo com as indicações do fabricante.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG