Esfaqueado no metro. Videovigilância será fundamental para explicar morte nas Laranjeiras

Um jovem foi morto na plataforma do metro, agredido por dois homens com uma arma branca. Chamado ao local, o INEM nada conseguiu fazer e declarou o óbito. PJ investiga.

Céu Neves
PJ está a investigar o crime.© Paulo Spranger/Global Imagens

As imagens de videovigilância serão fundamentais para explicar o que aconteceu ontem à hora do almoço na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Um jovem com menos de 20 anos acabou por falecer na plataforma, após ser esfaqueado por dois homens, desconhecendo-se os motivos, disse ao DN fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP). Verificado o homicídio, a PJ foi chamada ao local e esteve durante toda a tarde a fazer perícias. A estação só reabriu pelas 17.32 de ontem.

A situação foi detetada por volta das 13.17 desta quarta-feira, tendo sido chamada a PSP que chegou "em minutos", segundo a força policial. Encontraram um jovem, que a polícia estima ter entre 18 e 20 anos, jazido no chão da plataforma para apanhar as composições, vítima de agressões com uma arma branca. Ainda chamaram uma equipa do INEM, mas não houve reanimação possível, tendo sido declarado óbito no local, segundo a PSP.

A mesma fonte policial adiantou que são dois homens os suspeitos do crime, sem se terem verificado detenções até ao momento. Ainda de acordo com as autoridades policiais, os agressores terão fugido, o que significa que não há indicações sobre a identificação dos mesmos nem os motivos que levaram às agressões. É fundamental, o visionamento das imagens captadas pelas câmaras de videovigilância para se perceber o que se terá passado até às 13.17.

Estação fechada quatro horas

O Metropolitano de Lisboa "disponibilizará as imagens logo que as mesmas sejam pedidas pela PJ", a quem compete investigar estes crimes, referiu a assessoria de imprensa da empresa.

Aliás, a estação das Laranjeiras foi imediatamente encerrada após a entrada da equipa da PSP, às 13.24, encerramento confirmado pela PJ. Reabriu mais de quatro horas depois do crime.

O óbito foi declarado no local.© Paulo Spranger/Global Imagens

É a Linha Azul que serve a estação do metro das Laranjeiras, situada na freguesia de São Domingos de Benfica. Liga as estações de Santa Apolónia à da Reboleira.

Enquanto decorreram no local as averiguações policiais (recolha de indícios do crime, testemunhos, etc.), manteve-se a circulação das composições, que deixaram de parar nas Laranjeiras durante a realização de perícias, mantendo-se o serviço em todas as outras estações da linha.

"A estação das Laranjeiras está encerrada. Ninguém pode entrar nem sair, os comboios passam e não param. Está parada por motivos alheios à empresa", sublinhou ao meio da tarde de ontem fonte do Metropolitano de Lisboa. A PJ deu por terminada esta primeira fase de investigação por volta das 17.00, tendo dado ordens para que o serviço fosse reposto naquela estação de metro.

Segue-se, agora, a análise de outros elementos, nomeadamente o visionamento das imagens de videovigilância.

ceuneves@dn.pt