Alemanha coloca Algarve e Açores na lista de zonas de risco

A Alemanha colocou esta sexta-feira a região do Algarve e os Açores na lista de zonas de risco face à pandemia de covid-19, com os turistas alemães a terem de cumprir uma quarentena de dez dias no seu regresso.

A medida aplica-se a partir de domingo, segundo o instituto de vigilância sanitária alemão Robert-Koch (RKI), no entanto, os turistas provenientes desta região do sul de Portugal, um dos destinos turísticos preferidos, poderão interromper a quarenta ao fim de cinco dias em caso de teste negativo.

O arquipélago dos Açores também se junta a esta lista, a par da região autónoma espanhola de Castilla- La Mancha e os Emirados Árabes Unidos devido a elevadas taxas de incidência.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro português anunciou que os concelhos de Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior vão regressar na segunda-feira às regras que vigoravam no continente português antes do atual processo de desconfinamento, devido à evolução da covid-19.

Segundo António Costa, a generalidade dos concelhos do continente segue em frente para a terceira fase do plano de desconfinamento do Governo, a partir de segunda-feira, mas há sete municípios que ficam retidos na segunda fase, mantendo as medidas hoje em vigor, e outros quatro concelhos que, por terem uma grande incidência da covid-19, voltam à primeira fase deste plano de desconfinamento iniciado em 15 de março.

Segundo o primeiro-ministro, nestes quatro municípios, com uma incidência de 240 casos por 100 mil habitantes, volta a estar em vigor a proibição de circulação interconcelhia "e, portanto, as pessoas têm o dever de se manter no seu concelho, com as exceções que são conhecidas, em particular a necessidade de terem de ir trabalhar ou de dar apoio a qualquer familiar". A medida aplica-se todos os dias da semana.

Voos cancelados mas impacto ainda é reduzido no Algarve

O presidente do Turismo do Algarve disse hoje que a inclusão da região na lista alemã de zonas de risco já originou o cancelamento de voos, mas considerou que o impacto no número de turistas ainda é pouco expressivo.

"Há já cancelamentos de voos, o que tem natural impacto", afirmou João Fernandes em declarações à Lusa, notando, porém, que o impacto "não é muito expressivo do ponto de vista do número de turistas, mas é expressivo, sobretudo, para esta fase de arranque" do turismo algarvio.

Segundo aquele responsável, os voos estavam a começar a operar "com capacidades reduzidas", através de ligações iniciadas este mês entre o Algarve e seis cidades alemãs, operadas por quatro companhias, o que "demonstra bem a apetência que há dos alemães para visitar o Algarve".

A Alemanha colocou hoje a região do Algarve e os Açores na lista de zonas de risco face à pandemia de covid-19, com os turistas alemães a terem de cumprir uma quarentena de dez dias no seu regresso.

No entanto, os turistas provenientes desta região do sul de Portugal poderão interromper a quarentena ao fim de cinco dias em caso de teste negativo.

De acordo com o presidente do Turismo do Algarve, a Alemanha é o segundo maior mercado externo para o turismo algarvio, tendo em 2019 sido registadas 1,8 milhões de alemães em dormidas em hotelaria classificada na região.

"Vamos aguardar que a eficácia com que habitualmente o Algarve trava o evoluir destes surtos nos permita, na próxima revisão do Instituto Robert-Koch, podermos sair desta lista", afirmou, sublinhando que estas avaliações são "cíclicas".

A medida aplica-se a partir de domingo, segundo o instituto de vigilância sanitária alemão Robert-Koch (RKI). O arquipélago dos Açores também se junta a esta lista, a par da região autónoma espanhola de Castilla- La Mancha e os Emirados Árabes Unidos devido a elevadas taxas de incidência. Pelo contrário, a Alemanha retirou o Reino Unido das zonas de risco face à pandemia de covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG