"Simbólico". Costa assina a lei dos feriados em público

É um ato que por regra acontece no recato dos gabinetes. Mas o primeiro-ministro fez questão de o trazer para espaço público

Do recato dos gabinetes para um ato público, assim será a "cerimónia da Referenda da Lei da Assembleia da República que repristina quatro feriados nacionais", que hoje de manhã tem lugar na Sociedade Histórica da Independência de Portugal (SHIP), em Lisboa. O gabinete de António Costa diz ao DN que é um "evento simples", que pretende de "forma simbólica" assinalar a reposição dos quatro feriados que o governo de Passos Coelho retirou em 2013.

O nome pomposo da cerimónia tem tradução fácil. A referenda é o ato em que o primeiro-ministro assina uma lei, depois do chefe do Estado a ter promulgado, para que possa ter execução - neste caso, fazer vigorar de novo os quatro feriados extirpados ao calendário desde 2013: Corpo de Deus, Implantação da República, Todos os Santos e Restauração da Independência.

Apesar de Marcelo Rebelo de Sousa ter advertido "que a nova lei pode, porventura, ter implicações económicas e financeiras não quantificadas", entendeu promulgar, a 18 de março, "em coerência com a posição desde sempre assumida nesta matéria" o decreto que alterou o Código de Trabalho.

À promulgação segue-se a referenda, por norma um gesto burocrático feito no sossego dos gabinetes, que desta vez - "uma situação excecional", como descreve fonte oficial de São Bento - passa para a esfera pública. Enquanto presidente da Câmara de Lisboa, Costa "empenhou-se muito" na reposição dos feriados.

O agora primeiro-ministro, segundo a fonte oficial, "entende que o 5 de outubro e o 1 de dezembro são datas marcantes do país, da nossa identidade e de valores históricos". Tudo somado, quis ainda "assinalar mais um compromisso eleitoral", num tema "que lhe era caro e que sempre apoiou".

A 1 de dezembro de 2014, Costa desejava que aquele fosse "o último dia" em que se festejava a data sem feriado. E ia à História para justificar o seu empenho: "Desde 1862, que o município de Lisboa se junta à Sociedade Histórica para celebrar a independência nacional, data que desde 1910 e até bem recentemente constituiu feriado oficial." O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e a vereação, estão entre os convidados.

Quem aplaude a cerimónia é José Ribeiro e Castro. O ex-deputado do CDS e membro da SHIP sublinhou ao DN o "grande significado de ser público" este ato "e ser feito na SHIP, que é a intérprete da restauração da independência de Portugal".

Ribeiro e Castro recordou que o feriado criado a 12 de outubro de 1910 é "um feriado do Estado conquistado pela sociedade civil" e que a cerimónia de hoje, presidida pelo primeiro-ministro, é também "um reconhecimento da sociedade civil" na luta pela reposição destas quatro datas festivas.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.