Polícia Judiciária deteve jihadista na Alemanha

Abdessalam T., marroquino, é suspeito de recrutar jovens da mesma nacionalidade para o daesh, em Portugal

A Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ) deteve na Alemanha um suspeito jihadista marroquino, indiciado pela prática em Portugal dos crimes de adesão e apoio a organização terrorista, recrutamento para o daesh e financiamento. . A UNCT acredita que Abdessalam T., 63 anos, era o cabecilha de uma rede, da qual fazia parte outro marroquino, Hicham el Hanafi, detido em novembro passado pelas autoridades francesas, sob suspeita de estar a preparar um atentado naquele território.

Abdessalam estava preso na Alemanha desde o verão do ano passado, por crimes não relacionados com o terrorismo, e ia ser libertado nos próximos dias. Com o inquérito aberto e a investigação a decorrer em Portugal, dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), foi entregue às autoridades alemãs um pedido de extradição do marroquino, evitando assim que ficasse em liberdade com evidentes riscos de segurança e obrigando a que possa ser julgado no nosso país pelos crimes de terrorismo.

De acordo com o comunicado da Procuradora-Geral da República, as autoridades judiciárias alemãs entregaram o suspeito esta tarde às autoridades portuguesas. Este já se encontra em Portugal e vai ser hoje submetido ao primeiro interrogatório judicial.

Abdessalam e Hanafi têm autorização de residência em Portugal e estatuto de asilado político desde 2014. A investigação da PJ partiu dos indícios apresentados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF),em 2015, quando foram observadas algumas tentativas de recrutamento por parte de Abdessalam, sendo concluído que seria um "radicalizador".Sempre debaixo de olho da PJ e depois também das secretas, foi com base na informação entretanto recolhida, que a polícia francesa sustentou a detenção, que ainda se mantém, de Hanafi.

Segundo contou o Expresso na altura, Abdessalam e Hanafi vieram para Portugal no mesmo avião, em outubro de 2013, com identificação falsa. Não foi provado até agora que se conhecessem antes. Abdessalam era polícia e alegou, no seu pedido de asilo, perseguição política por ser opositor ao regime e defensor de uma orientação islamita mais radical. Hanafi alegou igualmente perseguição política por motivos ideológicos e ser membro do Movimento 20 de fevereiro.

Foram colocados num centro de refugiados em Aveiro, onde Abdessalam terá começado o seu trabalho de recrutador para o jihadismo entre jovens magrebinos do centro. Hanafi foi uma das suas "vítimas". De acordo ainda com o Expresso Aveiro tornou-se um polo da célula terrorista, com algumas vindas também a Lisboa, à zona do Martim Moniz, onde terão sido aliciados vários jovens de nacionalidade marroquina.
Os dois magrebinos começaram a ser monitorizados, já depois da concessão tácita do asilo, com várias viagens referenciadas a países europeus, como a Alemanha, França e Bélgica, onde intensificaram a sua radicalização.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?