O que dá o trabalho? Dinheiro, arrelias e que pensar

As principais transformações sociais, económicas e culturais que estão a mudar o mundo do trabalho vão estar em análise em Lisboa, entre 14 e 16 de setembro

Três dias ao ritmo de um festival de verão, mas onde a música será substituída nos três palcos ao ar livre por debates, intervenções de economistas, cientistas, especialistas em inteligência artificial, artistas nacionais e internacionais, exposições e a troca de ideias com vários convidados. E para manter a concorrência aos festivais haverá, no Jardim Botânico Tropical de Lisboa, um concerto diário - os nomes dos participantes ainda estão em segredo - e a projeção de dois documentários: "Os Dias Contados", de Ana Sofia Fonseca e "Fora da Vida", de Filipa Reis e João Miller Guerra.

Nesta edição dos Encontros anuais da Fundação Francisco Manuel dos Santos o mote parte de uma frase simples: "O Trabalho dá que pensar". Um título explicado por David Lopes, diretor-executivo da Fundação e presidente da comissão executiva do encontro: "Estávamos a falar sobre o que o trabalho dá e lembramos que dá, por exemplo, dinheiro, arrelias e chegámos ao fim do círculo - dá que pensar."

E é nessa importância do trabalho e das modificações que vai sofrendo que se centram os três dias de conferência - entre 14 e 16 de setembro, no Jardim Botânico Tropical, em Lisboa. Na apresentação do evento, o diretor-geral da Fundação lembrou que há muitas questões ainda sem resposta: Em que medida é que o trabalho, como o conhecemos, tem uma data de validade? Quais as principais transformações sociais, económicas e culturais que estão a mudar o mundo do trabalho? Como garantir que há uma transferência de experiência e de conhecimento intergeracional no mercado do trabalho? Quais as implicações da uberização do trabalho?

Para dar respostas, ou pelo menos para lançar explicações vão estar no palco principal Jimmy Wales (co-fundador da Wikipédia), os economistas David Autor, Juan Dolado, Jean Pisani-Ferry, Martha Bailey, Sérgio Rebelo e Luis Garicano (conselheiro de economia do Ciudadanos, em Espanha). Estarão ainda os especialistas em inteligência artificial Arlindo Oliveira e Norberto Pires; o biólogo Jared Diamond (que escreveu o livro Guns, Germs and Steel, com o qual venceu o prémio Pulitzer 1998), além da atriz Ana Padrão, o artista Leonel Moura (embaixador Europeu da Criatividade) e Pedro Gadanho (diretor do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia, de Lisboa).

Um conjunto de personalidades que o coordenador científico do encontro, o economista Pedro Portugal, diz terem sido convidadas de forma estarem presentes "os economistas mais influentes e menos aborrecidos. Pessoas interessantes. Alargámos as questões de humanismo e das artes. Falaremos das novas profissões, da desmaterialização das relações de trabalho, do próprio conceito do local de trabalho."

Falaremos das novas profissões, da desmaterialização das relações de trabalho

O festival terá os seus três palcos (o principal com capacidade para 1400 pessoas) colocados nos relvados do Jardim Botânico, os visitantes entram pela Alameda do Trabalho, onde se poderá acompanhar - num alinha do tempo - toda a evolução do direito laboral, estatísticas, questões do género, evolução dos salários e conteúdos interativos, anunciou David Lopes.

Haverá uma street food e para o final de cada um dos dias - exceto o dia 14 em que a conferência começa às 14.00 e terminará pelas 24.00, nos outros dois dias o horário será das 14.00 às 23.00 - está previsto um concerto, estando ainda em segredo quem serão os cabeça de cartaz. A única certeza é que um dos dias será dedicado às canções relacionadas com o trabalho.

Os bilhetes custam 30 euros para os três dias e 20 euros o diário, enquanto os estudantes pagam cinco euros pelo passe diário e 10 pelos três dias. Estão à venda no site da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.