Mulher de Salgado é "dona de casa" mas tem mais de 100 milhões

Conta foi usada por Ricardo Salgado para comprar diamantes e aderir ao programa de perdões fiscais

Maria João Bastos Salgado tem uma fortuna entre 100 e 200 milhões de euros numa conta que pertence à Begolino, uma offshore sediada no Panamá. O valor do património da mulher de Ricardo Salgado é indicado numa carta rogatória enviada pelas autoridades da Suíça ao Ministério Público, no âmbito da Operação Marquês.

A notícia é avançada hoje pelo Correio da Manhã que refere que o nome da mulher do ex-líder do BES e do Grupo Espírito Santo surge num documento enviado pelo banco Lombard Odier, com sede em Genebra, na Suíça.

O documento, classificado como "secreto", indica que Maria João Bastos Salgado tem um património de entre "100 a 200 milhões". A mesma carta dá conta que a mulher de Ricardo Salgado está identificada como "casada, com três filhos e dona de casa", segundo o jornal.

A conta tem como como mandatários o marido e a filha de ambos, Catarina Amon, segundo a acusação da Operação Marquês, e apesar da conta bancária ter como última beneficiária Maria João Salgado as verbas eram geridas por Ricardo Salgado.

Desta conta saíram, em 2012, cerca de 3,82 milhões de euros para a compra de três diamantes e 1,2 milhões com os quais Ricardo Salgado aderiu ao programa de perdões fiscais.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.