Manuel Heitor: "Reduzir vagas? O que quero é ter mais estudantes"

O ministro do Ensino Superior afasta por completo o corte de vagas em Medicina - ou outras áreas, defendendo que o que faz falta ao país são mais licenciados. Reforça a aposta no Interior do País, sublinha os ganhos de alunos dos últimos anos e anuncia ainda o regresso do sistema de empréstimos do superior no final do ano.

A Ordem dos Médicos tem apelado insistentemente para a redução do número de vagas de Medicina, face à saturação das formações especializadas. As vagas mantêm-se este ano. Admite reduzi-las no futuro?

Já o disse: não contem comigo para reduzir vagas. Temos que perceber o contexto específico do ensino da Medicina mas a nossa orientação vai mais e mais no sentido da qualidade, nomeadamente no que temos feito em estreita colaboração com o Ministério da Saúde, nos centros académicos clínicos. Demos um alerta grande neste concurso a duas áreas: as competências digitais e a física e foi importante perceber que houve resposta de aumento de vagas, até mais nos politécnicos do que nas universidades e um aumento considerável de 20% na física. E a física é a física médica, a aplicação da bioengenharia à medicina e todas as áreas relacionadas com a medicina biológica. A prática médica não é apenas a área tradicional e por isso há um ramo de aplicações e a física médica é uma área emergente claramente.

Isso poderá influenciar alguns alunos a optarem por essas vias, mas continuarão a ser preenchidas as vagas de Medicina e a faltarem especializações...

Temos cada vez mais de desacoplar a formação do emprego. A nossa preocupação é formar mais estudantes. Depois temos de ir estudando cada vez melhor a questão do emprego mas também de a desacoplar da formação. A questão que se pode por é porque é que há só uma área em que o Estado tem a obrigação de dar emprego a todos os licenciados. Essa é uma questão que todos os países enfrentam: não há obrigação nenhuma de que todos os graduados em Medicina tenham um emprego garantido. Reduzir as vagas? Pelo contrário: o que eu quero é ter mais estudantes no ensino superior. Até porque as médias que temos estão muito abaixo das médias, quer na UE quer na OCDE.

Este é o segundo ano consecutivo com aumento de vagas no superior. Essa tendência, até tendo em conta o que refere, será para manter nos próximos anos?

Temos capacidade de o fazer, sobretudo no interior do país. Não aumentámos as vagas nos principais centros urbanos...

Até as reduziram...

Sim, mas estamos a aumentar fora dos centros urbanos, de Lisboa, Porto e Coimbra. Cada vez mais percebemos que o potencial do ensino superior para atrair jovens é muito importante. Queria dar um exemplo: o curso de Engenharia Alimentar entre três institutos politécnicos: Bragança, Viana do Castelo e Leiria. Aparece pela primeira vez um curso em associação, dado por três instituições. É um exemplo muito importante, darem um curso em parceria, em que os estudantes podem circular entre três territórios do país. Essa é uma tendência a nível nacional mas também internacional que veio para ficar.

O abandono escolar no superior está a diminuir. Há mais confiança entre os alunos?

Claro que sim. Sabemos que a questão do abandono tem muitas razões, nomeadamente de proximidade. Mas também sabemos que o aumento da ação social escolar no ensino superior teve um impacto significativo. O regime de contratualização das bolsas por três anos também terá um impacto positivo. Cria uma relação de confiança entre as instituições e os estudantes.

Pretendem retomar os empréstimos. Os anos de crise mostraram que estes podem ser voláteis...

Desenvolvemos um sistema, em 2007, baseado n a partilha de risco. O sistema financeiro em Portugal também é frágil e, nos anos de crise, reduziram o risco. Gradualmente estamos a repor o sistema mas é verdade que precisamos dos bancos.

E estes vão a assumir os riscos?

Temos aberta essa negociação e eu penso que sim. Estamos a trabalhar para que até ao final do ano o sistema seja retomado.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?