Mais três jihadistas passaram por Portugal. Um queria ser bombista suicida

Polícias portuguesas já têm lista com cinco mil nomes de combatentes. A maior parte são do Médio Oriente e norte de África. Há 10 referências a Portugal

Novidades sobre jihadistas portugueses, não há. Na lista que esta semana chegou às polícias portuguesas, onde constam cerca de cinco mil nomes de combatentes estrangeiros do Daesh [acrónimo árabe do grupo terrorista Estado Islâmico], sendo a maioria do Médio Oriente e norte de África, apenas estão quatro nomes de nacionalidade portuguesa e/ou lusodescendentes e que já fazem parte das investigações da Polícia Judiciária (PJ): Nero Saraiva, Sandro Marques, Sadjo Turé e Micael Batista. Só o primeiro está vivo. Ismael Moustefai, lusodescendente e um dos bombistas suicidas dos atentados de Paris, também está registado e matou-se no ataque à casa de espetáculos Bataclan.

Esta lista mais completa - a anterior tinha apenas 1736 nomes - traz, no entanto, algumas novidades em relação aos nomes, entretanto divulgados pelo Expresso e pela Sábado, de jihadistas que terão passado por Portugal.

Além do marroquino e do dinamarquês, há três novos nomes que disseram na sua ficha ter passado por Portugal. Um de nacionalidade alemã e dois franceses. O primeiro, Hajj Ibrahim, de origem tunisina, com 27 anos, solteiro, entrou na Síria em junho de 2014 e no seu registo deixou escrito que estava disponível para ser bombista suicida. Além de Portugal, disse ter visitado a Tunísia e França.

Jilan Derwick é outro combatente que terá passado pelo nosso país. Visitou também a Espanha, a Alemanha, a Bélgica e a Turquia. Tem 23 anos, é solteiro e padeiro de profissão. Ofereceu-se para ser soldado. O terceiro novo nome, em relação ao qual Portugal é referido, é Antuni Munis, de nacionalidade francesa, país onde residia. Tem 27 anos e, além de Portugal, disse ter visitado, a Inglaterra, França, Canadá, Estados Unidos, China, Malásia, Índia, Singapura, Caxemira, vários países da Europa Ocidental e a Hungria. Tem formação universitária e é especialista em informática. Ofereceu-se para "outras" funções que não combatente ou bombista suicida.

As forças e serviços de segurança estão a analisar todos os nomes. Cada uma vai agora olhar para as referências a Portugal e verificar se algum dos jihadistas passou alguma vez pelos seus radares. Como são todos cidadãos europeus dificilmente seriam controlados na fronteira.

"A "agulha no palheiro" seria que algum destes nomes tivesse sido identificado inopinadamente numa simples operação policial", sublinha fonte policial. No entanto, acrescenta, "é possível que na altura em que passaram em Portugal nem tivessem ligações registadas ao Daesh e não haver nenhum alerta nas bases de dados".

Para já, ao contrário do que tinha dito a ministra da Administração Interna e a Procuradora-Geral da República, nenhuma lista com 22 mil nomes chegou às autoridades portuguesas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.