Técnicos avaliam impacto da combustão nas minas do Pejão

Objetivo é "dissipar a hipótese da existência de impactos numa escala de âmbito local"

Técnicos da Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM), à qual compete a monitorização das áreas mineiras degradadas, deslocam-se ainda hoje a Castelo de Paiva para avaliar a combustão de resíduos de carvão nas antigas minas do Pejão desde outubro.

Segundo um esclarecimento enviado à agência Lusa pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), a deslocação ocorre para "dissipar a hipótese da existência de impactos numa escala de âmbito local, envolvente das minas do Pejão".

A CCDR-N assinala que a EDM é responsável pela "caracterização e recuperação ambiental das áreas mineiras degradadas e sua monitorização, no âmbito do contrato de concessão atribuído pelo Estado português.

O esclarecimento enviado por aquele organismo desconcentrado do Estado ocorre depois de, na quarta-feira, a Lusa ter pedido informação à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) sobre a situação que se verifica com os resíduos das antigas minas do Pejão, em Pedorido, Castelo de Paiva, distrito de Aveiro.

No local, segundo relatos da população, confirmados à Lusa pelo presidente da Câmara de Castelo de Paiva e pelo presidente da Junta de Freguesia de Pedorido, pode observar-se a combustão de resíduos de carvão, desde 25 de outubro, que terá sido despoletada pelo grande incêndio que lavrou no concelho naquele dia. A combustão é subterrânea, mas os gases expelidos para a atmosfera são visíveis e têm um cheiro intenso a enxofre.

Os autarcas exigem uma solução técnica rápida e eficaz para o problema, depois de as tentativas dos bombeiros para extinguir a combustão, com a utilização de grandes quantidades de água, não terem resultado.

Confrontada com a situação, nomeadamente se tem riscos para a saúde da população mais próxima, situada a cerca de 300 metros, a APA remeteu os esclarecimentos para a CCDR-N.

Além da informação de que os técnicos da EDM estarão hoje no local a avaliar a situação, a CCDRN indicou, numa posição escrita, que os dados sobre poluentes atmosféricos da estação de medição mais próxima das antigas minas do Pejão, situada a Paços de Ferreira, "não se verificaram em 2017 excedências aos valores limites dos poluentes nela monitorizados: partículas (PM10), dióxido de azoto (NO2) e ozono (O3)".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.