Tancos leva chefe do Exército ao Parlamento

Nova audição do general Rovisco Duarte sobre furto justificada com declarações sobre descoberta do material.

A recuperação do material de guerra furtado dos paióis de Tancos, mas que se desconhecia lá estar, leva o comandante do Exército mais uma vez ao Parlamento na próxima terça-feira.

Na base do requerimento do CDS está a revelação feita pelo general Rovisco Duarte de que tinha sido recuperada uma caixa de petardos que o Exército aparentemente desconhecia ter sido furtada com o restante material (nomeadamente explosivos, granadas ofensivas e de gás lacrimogéneo, munições e lança-granadas foguete anticarro).

Por agendar, mas também já aprovada a pedido do PS, está uma segunda audição do ministro da Defesa sobre o mesmo assunto.

Com o Presidente da República a insistir para que sejam apuradas responsabilidades, sem que o Exército revele os resultados dos seus inquéritos internos sobre as falhas de segurança que permitiram a ocorrência do furto detetado no final de junho passado, sabe-se apenas que o ramo abriu vários processos disciplinares há mais de dois meses.

Note-se que nenhum dos militares visados foi ainda constituído arguido - permitindo o acesso dos advogados aos autos - no âmbito do processo criminal a cargo do Ministério Público (MP), com o apoio da PJ e da PJ Militar, soube o DN.

O que é dado como certo a nível militar são as responsabilidades de oficiais, sargentos e praças a nível da segurança e da vigilância dos paióis - falhas (como ausência de rondas noturnas) que constariam dos relatórios de atividade diária, mas a que a cadeia hierárquica do Exército não deu a devida atenção durante anos, admitiram as fontes do DN, sob anonimato por não estarem autorizadas a falar do caso.

Além da referida caixa de petardos que não constava da lista de material furtado, o DN sabe que também existem "discrepâncias de valores" - mínimas mas reveladoras de facilitismo, segundo uma das fontes - entre os números dessa lista e as quantidades recuperadas durante uma madrugada e manhã de fortes chuvadas na zona da Chamusca. Uma explicação para esse facto decorre da natureza do material furtado, que por se destinar à instrução e treino não seria alvo de registos sistemáticos e diários de saída e entrada.

Certo é que este caso continua envolto em mistério, tanto pelas várias situações por explicar como pelo envolvimento e responsabilidades das várias estruturas do Estado envolvidas, com destaque para o MP, a PJ e a PJ Militar - a ponto de agora pouco ou nada comunicarem entre si.

A história, segundo a revista Sábado, envolve um alegado informador da PJ que estaria na origem da informação sobre ir realizar-se um furto de material de guerra na zona de Leiria. Por explicar está o facto de essa informação não ter sido comunicada aos militares - que poderiam assim reforçar (ou iniciar a vigilância) as instalações existentes na região centro - ou o caso ser qualificado como potencial ato de terrorismo pelo MP e PJ, enquanto a investigação ao furto de meia centena de pistolas Glock da PSP (que usam precisamente munições de calibre 9mm, como as desaparecidas em Tancos e que foram o único material de guerra não devolvido) continua a cargo da própria PSP.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.