"Substância útil para certos doentes"

Bruno Maia, médico neurologista do Centro Hospitalar de Lisboa Central, explica porque a medida pode ser vantajosa

O que defende exatamente?

Quero que haja mecanismos para que as pessoas que tenham indicação médica para serem tratadas com canábis o possam fazer. No atual quadro legal, isso não é possível.

E há evidência científica de que isso não tem contraindicações poderosas?

Todos os medicamentos têm contraindicações. Todos. Os que são legais e que são prescritos por médicos. A canábis tem contraindicações mas também tem indicações. Há pessoas e há doentes que beneficiam deste medicamento. Cabe ao médico e ao próprio doente decidirem se a canábis é ou não é a mais indicada para a sua situação clínica.

Se isso for legalizado em Portugal, como é que depois o nosso país ficava, comparando com os outros países europeus e fora da Europa?

A Holanda e a Alemanha já têm a marijuana medicinal disponível, nos EUA há 28 estados onde isto acontece, no Canadá também. Não existe hoje nenhuma dúvida científica de que isto é uma substância útil para determinados doentes. Não percebo porque é que isto não está disponível em Portugal, a não ser à luz de preconceito e desinformação.

E como é que ficaria a questão da produção ?

Portugal está a produzir canábis neste momento. E existem uma série de projetos para produção tendo em vista a exportação. Não faz sentido: pode-se produzir para não se poder prescrever para efeitos medicinais.

Para que terapia é que a canábis é recomendável?

A grande indicação da canábis é tratamento de sintomas. Tratamento de falta de apetite, vómitos, náuseas. E também como analgésico. Mas começa a haver evidência, em determinadas patologias - por exemplo, na epilepsia -, de que o tratamento com canábis diminui o número de crises.

E o mundo das farmácias está equipado para isto?

É só uma questão de importar os medicamentos com canábis produzidos lá fora.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.