Segurança apertada no dia em que Guterres regressa à universidade que o formou

Secretário-geral da ONU distinguido hoje com doutoramento "honoris causa" pela Universidade de Lisboa

Os carros pretos que se sucedem à porta da Reitoria da Universidade de Lisboa mostram que algo de excecional está a passar-se. É o doutoramento honoris causa de António Guterres, e chegam o Presidente da República, o Presidente da Assembleia da República, ministros, deputados e as figuras gradas da academia.

Enquanto esperam o início da cerimónia, todos aproveitam para conversar na área reservada aos convidados especiais. O anfiteatro vai-se enchendo de professores e alunos, todos com acreditação ao pescoço porque a segurança é rigorosa neste dia em que o secretário-geral das Nações Unidas regressa à universidade que o formou. No seu tempo, o IST pertencia à Universidade Técnica de Lisboa, desde 2013 fundida com a Clássica naquela que é hoje a Universidade de Lisboa.

Guterres foi um dos alunos mais brilhantes do Instituto Superior Técnico, onde se formou em engenharia eletrotécnica com 19 valores em 1971. Não seguiu a carreira académica, apesar de ter sido assistente após a licenciatura. Mais tarde, quando se demitiu de primeiro-ministro, foi professor catedrático convidado.

Guterres entrou no edifício, com poucas palavras, a tempo de se retirar para envergar as vestes cerimoniais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.