Sampaio da Nóvoa será único "embaixador político" português

Ministro dos Negócios Estrangeiros lembrou que "a quem compete propor ao governo as personalidades para chefiar missões" diplomáticas é o Governo

O chefe da diplomacia portuguesa sublinhou hoje que quem escolhe os embaixadores é o Governo e "não uma classe profissional" e indicou que Sampaio da Nóvoa, nomeado para representar Portugal na UNESCO, será o único "embaixador político".

"A nomeação de embaixadores que não são diplomatas, na tradição portuguesa, que é uma boa tradição, é absolutamente excecional. Com a sua nomeação, o professor Sampaio da Nóvoa será o único chefe de missão que não é diplomata", afirmou hoje aos jornalistas Augusto Santos Silva, questionado sobre as críticas da Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses à escolha do professor universitário para chefiar a representação permanente de Portugal junto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O ministro dos Negócios Estrangeiros referiu também que "a tradição portuguesa é também reservar ou apenas indicar os chamados embaixadores políticos para organizações multilaterais como o Conselho da Europa, OCDE ou a UNESCO" e, "quando o têm feito vários governos, os resultados têm sido positivos".

Sobre as críticas dos diplomatas portugueses, que pediram ao Governo que reconsidere esta nomeação, Santos Silva disse que "a opinião é livre".

"Quanto à autoridade para o fazer, lamento, mas a quem compete propor ao governo as personalidades para chefiar missões é a mim próprio e o Governo depois propõe ao Presidente da República. É o Estado que escolhe os seus representantes, não é uma classe profissional", sublinhou.

O governante recusou também a ideia de que esta contestação possa prejudicar o desempenho de Sampaio da Nóvoa naquele cargo.

Por um lado, o futuro representante permanente de Portugal na UNESCO irá chefiar "uma equipa de diplomatas e técnicos" e porque os embaixadores recebem "instruções" do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

"Um embaixador ou embaixadora responde é perante o Governo, não responde perante os seus pares", destacou.

Santos Silva reiterou as razões pelas quais convidou Sampaio da Nóvoa para este posto diplomático, que será reaberto porque Portugal foi eleito para o conselho executivo da UNESCO.

O posto tinha sido fechado pelo anterior executivo (PSD/CDS-PP) e a representação portuguesa era assegurada pelo embaixador português em Paris.

"É uma autoridade internacionalmente reconhecida numa área chave da UNESCO, que é a educação e a ciência; tem experiência de gestão, de empenhamento cívico, de participação política que o recomendam para este cargo, designadamente como reitor da Universidade de Lisboa, e porque ele próprio conhece pessoalmente o trabalho da UNESCO, porque tem trabalhado como perito em diversas ocasiões", disse.

"Não podíamos fazer melhor escolha", salientou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.