Resíduos de carvão das minas ardem desde fogos de outubro

Bombeiros não conseguem extinguir a combustão. Técnicos da Empresa de Desenvolvimento Mineiro deslocam-se ainda hoje ao local para avaliar situação

Desde os incêndios de outubro que os resíduos de carvão das minas do Pejão estão em combustão, lançando um cheiro intenso e, segundo o presidente da Câmara de Castelo de Paiva, que foi funcionário daquelas minas, provocando gases tóxicos.

A combustão foi desencadeada pelo incêndio do dia 25 de outubro que afetou aquela zona de Castelo de Paiva. Desde esse dia que se têm observado sinais de que algo estaria a arder no interior de depósito de resíduos da exploração mineira que foi desativada em dezembro de 1994.

O comandante dos Bombeiros de Castelo de Paiva, Joaquim Rodrigues, disse à Lusa que os resíduos têm uma altura de 15 a 20 metros e os gases que resultam da combustão têm um cheiro intenso. "Está a arder muito no fundo", exclamou, sugerindo que terão de ser utilizadas máquinas para resolver o problema, depois de as tentativas de resolver o problema com água se terem revelado infrutíferas.

No local estiveram também o responsável da proteção civil distrital e um vereador, que registaram o problema, tendo-se decidido comunicar a situação para o Ministério do Ambiente e para a Agência Portuguesa do Ambiente. Ainda hoje, técnicos da Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM), à qual compete a monitorização das áreas mineiras degradadas, deslocam-se ainda hoje ao local para avaliar a situação.

O presidente da Câmara de Castelo de Paiva disse ter indicação de que não haverá razões para preocupação relativamente a riscos para a saúde pública, frisando que as zonas de combustão estão afastadas da população. Apenas a situação concreta de um lar de idosos, próximo de uma das entulheiras, poderá suscitar mais preocupação, admitiu.

O presidente da Junta de Pedorido, Joaquim Martins, admitiu alguma preocupação com a situação e defendeu que o problema tem de ser resolvido o mais rapidamente possível.

"As pessoas andam preocupadas também por causa do cheiro intenso a enxofre que se sente", anotou, enquanto afirmava desconhecer se os gases poderão ser prejudiciais para a saúde pública.

O autarca de Pedorido disse que as casas mais próximas do depósito de resíduos que suscita maior preocupação, num antigo campo de futebol da freguesia, se situam a cerca de 300 metros.

António Pinto, que mora naquela localidade, disse que a situação é "muito preocupante", porque a combustão dos resíduos de carvão provoca gases, visíveis a olho nu, com substâncias que "podem ser nocivas para a saúde pública", ao nível das doenças respiratórias.

Em 1994, quando foi encerrada a mina, as entulheiras foram cobertas com aterro, por imposição da União Europeia, contou.

Quanto mais tempo se demorar a extinguir a combustão, mais ela evoluirá para camadas profundas, tornando mais difícil eliminá-la, alertou.

* Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.