Quatro doentes com sarampo internados. Há 32 casos suspeitos

DGS confirma que já testou oito dos doentes suspeitos. Todos têm ligação profissional ao Hospital de Santo António no Porto

Há quatro doentes internados com sarampo no Hospital de Santo António, no Porto. Um deles está em situação "instável". No comunicado publicada esta noite, a Direção Geral da Saúde (DGS) confirma sete casos de sarampo e 25 ainda suspeitos. No total, o hospital tinha reportado 32 casos suspeitos entre pessoal hospitalar.

Na terça-feira à noite, a DGS tinha já confirmado dois casos de sarampo. Sendo que um dos doentes se encontra internado, mas "clinicamente estável". Terá sido nestes dois primeiros casos, que o surto começou. Os dois doentes - um homem de 27 anos e outro de 43 - não estavam vacinados.

A atual situação "configura a existência de um surto", admite a Direção Geral da Saúde. Garantindo que "está em curso uma investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui a investigação laboratorial de todos os casos".

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, recomenda, no comunicado, que a população se vacine contra o sarampo. "Verifique o seu boletim de vacinas; se necessário vacine-se e vacine os seus". Recorde-se que o sarampo é uma das doenças infecciosas mais contagiosas e que pode provocar doença grave, principalmente em pessoas não vacinadas.

A doença foi considerada erradicada em Portugal, em 2016. Os casos que se têm registado têm sido importados de países europeus onde existem comunidades não vacinadas. No ano passado, uma jovem de 17 anos acabou por morrer em consequência da doença.

Mesmo as pessoas vacinadas podem vir a contrair a doença, no entanto, será sempre uma forma mais ligeira e menos contagiosa, aponta a DGS.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.