O soldado português da I Guerra Mundial a quem mudaram o nome e vale um filme 

A história de Aníbal Milhais dava um filme e cem anos depois foi o que aconteceu. Baseado na sua ida à guerra e no facto de ter salvado vários companheiros, o filme Soldado Milhões explica o ato solitário que lhe mudou a vida

Sem fazer comparações, quando o filme Soldado Milhões começa e os bombardeamentos enchem a sala de cinema, o espectador pode lembrar-se de um filme de Steven Spielberg, O Resgate do Soldado Ryan. O som permite imaginar como seria estar nas malditas trincheiras da I Guerra Mundial, tal como a poeira e os estilhaços que parecem sair do ecrã, o que acontecia também no princípio da superprodução de Hollywood, com o desembarque nas praias da Normandia durante a II Guerra Mundial, filmado com muito realismo.

Aníbal Milhais surge no ecrã - a estreia do filme é só na próxima quinta-feira - entre outros soldados que aguardam a partida de Lisboa para a frente de batalha e só no final do filme é que recebe o cognome Soldado Milhões, num hábil trocadilho feito pelo comandante Ferreira do Amaral - que ficou para a história - quando o transmontano de Valongo chega são e salvo à retaguarda após um confronto violento com o inimigo. Ninguém já o espera, pois os restantes elementos do seu destacamento tinham escapado devido à coragem de Aníbal Milhais, ao enfrentar sozinho o ataque alemão enquanto a debandada portuguesa acontecia. Surpreendidos por ele estar vivo, é abraçado pelos amigos e o comandante profere a frase: "Tu és Milhais mas vales Milhões!"

Quem é este herói da 2.ª Divisão do Corpo Expedicionário Português que sobrevive e deixa viver alguns dos colegas na Batalha de La Lys no momento de maior carnificina entre o exército português? O filme Soldado Milhões será a melhor forma de tomar conhecimento da sua história pessoal, mesmo que rodeado da ficção necessária para um épico deste género, porque se pode regressar no tempo e imaginar o que seria o cenário em que Milhais se destacou dos outros ao manter-se com a sua metralhadora Lewis, a que os portugueses chamavam Luísa, voltada contra os atacantes e fugir ao único destino que lhe estava reservado: a morte.

Não morreu e essa vitória sobre o que lhe estava destinado irá alterar a sua vida por inteiro. Mesmo anos depois servirá de homem-propaganda ao regime e a própria terra natal fará dele o herói a que nunca conseguirá fugir apesar de se querer manter um homem normal.

A história de Milhais tem sido contada desde que teve a sorte de nesse regresso, entre a frente de batalha e a retaguarda onde estava o destacamento a que pertencia, salvar um militar escocês que se estava a afogar num pântano. O médico agradeceu ter sido salvo e também informou o exército aliado de que Milhais o salvara, bem como a outros soldados britânicos, evitando o que provavelmente redundaria no esquecimento nacional. E lá vieram as medalhas, entre as quais a Ordem Militar da Torre e Espada do Valor, Lealdade e Mérito, além de condecorações estrangeiras.

Seis anos após o regresso, o Parlamento muda o nome da sua terra para Valongo de Milhais, tal era a fama dos seus atos em todo o país. 54 anos depois é descerrado o seu busto em Murça, na Praceta Herói Milhões, além de outras homenagens. Cem anos depois dessa madrugada de 9 de abril de 1918, o país recorda novamente os feitos do maior herói português que esteve na I Guerra Mundial. Se a história de Aníbal Milhais já foi contada de todas as formas, até pela sua baixa estatura - pouco mais de metro e meio -, ou até por poder ter sido responsável por matar vários soldados portugueses com fogo amigo devido ao nevoeiro e às fardas parecidas com as dos alemães, o que este filme traz de novo é a possibilidade de se imaginar a aventura sofrida de muitos milhares de portugueses em terras da Flandres, sem equipamento e armamento corretos, devido a interesses políticos da época.

Soldado Milhões é um filme de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, realizadores que dividiram a responsabilidade da direção, sendo o segundo coautor do argumento com Mário Botequilha. Em nenhum houve dúvida sobre o título, pois a designação Soldado Milhões diz tudo. O argumento divide a história em duas partes, uma durante esses dias em que o Corpo Expedicionário esteve em combate, outra com a vivência de Milhais no regresso a Valongo. O paralelismo da vida irreal da guerra e a real de Milhais, que persegue um lobo que ataca ovelhas na companhia da filha, gera um stress que permite ao espectador perceber o que terá vivido o Soldado Milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.