Monges, artes marciais e folcore no Martim Moniz

Almirante Reis recebe o desfile do Ano Novo Chinês, que começa dia 16. E tudo se concentra no Martim Moniz para o espetáculo

Balões vermelhos percorrem a Almirante Reis, em Lisboa, desde a Igreja dos Anjos até ao Martim Moniz, onde hoje a partir das 14.00 haverá um espetáculo com artistas chineses e cantares do Minho e de Évora. Começa três horas depois de se ter iniciado o desfile na igreja e que junta chineses, mas também portugueses e outras nacionalidades, onde predomina o vermelho e o dourado. Comemoram o Ano Novo Chinês, também conhecido pela Festa da Primavera, dia 16 de fevereiro, e que este ano segue sobre o signo do cão.

Os monges do Templo Shaolin, as companhias de Canto e Dança de Zhengzhou, de Artes Performativas de Chongqiing e da Escola Secundária Pui China de Macau são as principais atrações que vieram da Ásia para representar a cultura chinesa. Entram e saem do palco para dar lugar ao grupo seguinte e para voltar a entrar, com atuações intercaladas. Desde o ano passado que estas celebrações têm convidados portugueses, este ano são os grupos etnográficos de cantares de Évora e do Minho. O desfile só acontece hoje, já o espetáculo será repetido amanha à tarde.

Quinta-feira, um grupo de estudantes chineses em Lisboa das áreas da gestão, economia, finanças e marketing, de mestrado e doutoramento, acompanhavam os preparativos da festa. Inscreveram-se como voluntários para acompanhar o desfile e apoiar as entradas e as saídas dos artistas. São a Iahe Li, Zhao Mengyuan, Ruiying Wu, Yang Di, Sang Win Lamm, Liujuan Li e Wang Pu (a ordem pela qual estão na foto), estudantes transnacionais e que já se habituaram a festejar o Novo Ano fora de casa.

Este é o quinto ano consecutivo que se celebra no Martim Moniz o Novo Ano Chinês, numa organização da Embaixada da República Popular da China e da Câmara Municipal de Lisboa, que conta com o apoio da empresas chinesas e com três patrocinadores principais: o banco Haitong, a destilaria Vanghe e a seguradora Fidelidade. Haverá, também, uma feira cultural e de produtos chineses, o que constitui também uma montra para os empresários da comunidade.

"O Ano Novo Chinês ou a Festa da Primavera é a data mais importante para todos os chineses, altura em que celebram em todo o mundo com diversas manifestações culturais. À medida que aumenta a sua influência e o intercâmbio entre a China e o Mundo, as celebrações do Ano Novo Chinês ganham cada vez mais relevância", informam os responsáveis diplomáticos em Portugal.

Em 2017, o Feliz Ano Novo Chinês desenvolveu-se em mais de 140 países com 500 cidades envolvidas tornando-se o projeto mais influente e abrangente de intercâmbio cultural entre a China e o Mundo. Em Portugal, a festa estende-se ao Porto e ao Algarve e é considerada pela comunidade "uma marca" da sua cultura.

Começa três horas depois de se ter iniciado o desfile na igreja e que junta chineses, mas também portugueses e outras nacionalidades, onde predomina o vermelho e o dourado. Comemoram o Ano Novo Chinês, também conhecido pela Festa da Primavera, dia 16 de fevereiro, e que este ano segue sobre o signo do cão.

Os monges do Templo Shaolin, as companhias de Canto e Dança de Zhengzhou, de Artes Performativas de Chongqiing e da Escola Secundária Pui China de Macau são as principais atrações que vieram da Ásia para representar a cultura chinesa. Entram e saem do palco para dar lugar ao grupo seguinte e para voltar a entrar , com atuações intercaladas. Desde o ano passado que estas celebrações têm convidados portugueses, este ano são os grupos etnográficos de cantares de Évora e do Minho. O desfile só acontece hoje, já o espetáculo será repetido amanha à tarde.

Quinta-feira, um grupo de estudantes chineses em Lisboa das áreas da gestão, economia, finanças e marketing, de mestrado e doutoramento, acompanhavam os preparativos da festa. Inscreveram-se como voluntários para acompanhar o desfile e apoiar as entradas e as saídas dos artistas. São a Iahe Li, Zhao Mengyuan, Ruiying Wu, Yang Di, Sang Win Lamm, Liujuan Li e Wang Pu (a ordem pela qual estão na foto), estudantes transnacionais e que já se habituaram a festejar o Novo Ano fora de casa.

Este é o quinto ano consecutivo que se celebra no Martim Moniz o Novo Ano Chinês, numa organização da Embaixada da República Popular da China e da Câmara Municipal de Lisboa, que conta com o apoio da empresas chinesas e com três patrocinadores principais: o banco Haitong, a destilaria Vanghe e a seguradora Fidelidade. Haverá, também, uma feira cultural e de produtos chineses, o que constitui também uma montra para os empresários da comunidade.

"O Ano Novo Chinês ou a Festa da Primavera é a data mais importante para todos os chineses, altura em que celebram em todo o mundo com diversas manifestações culturais. À medida que aumenta a sua influência e o intercâmbio entre a China e o Mundo, as celebrações do Ano Novo Chinês ganham cada vez mais relevância", informam os responsáveis diplomáticos em Portugal.

Em 2017, o Feliz Ano Novo Chinês desenvolveu-se em mais de 140 países com 500 cidades envolvidas tornando-se o projeto mais influente e abrangente de intercâmbio cultural entre a China e o Mundo. Em Portugal, a festa estende-se ao Porto e ao Algarve e é considerada pela comunidade "uma marca" da sua cultura.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."