Jorge Malheiros: Imigração "revela dinâmica económica atrativa"

Jorge Malheiros, investigador de Geografia Humana no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, diz que a retoma económica e a tranquilidade social atraem os imigrantes, que chegam agora com qualificações mais diversificadas.

O número de imigrantes com autorização de residência está aumentar. É um fenómeno positivo para o país?

É positivo, claro. Há uma relação entre dinâmica demográfica e dinâmica económica na generalidade dos casos. A imigração mais ligada a uma componente económica é uma boa notícia. Revela uma melhor saúde do país do ponto de vista social e económico. Com a retoma e a existência de um conjunto de setores que têm agora mais produção e mais procura, como o turismo, o comércio e outros serviços, começa até a manifestar-se a necessidade de mão-de-obra no nosso país. Vamos precisar de mais pessoas.

O Brasil é o principal ponto de origem dos imigrantes e com uma nova vaga mais qualificada. O que leva a isto?

Está a acentuar a entrada de brasileiros. Houve um momento de retorno dos brasileiros ao seu país, mas nos últimos quatro anos as entradas voltaram a ser superiores às saídas. Houve uma primeira vaga nos anos 1990, com gente qualificada. Foi a era dos médicos dentistas, do marketing, com pessoas como o Edson Athayde, e do audiovisual. Mais tarde, a imigração passa a ter qualificações mais baixas. E agora diversifica-se, com pessoal mais qualificado, com mais poder de investimento que aproveita as oportunidades existentes a nível de benefícios fiscais e também mantendo ainda as qualificações mais baixas/médias. Outro grupo importante é dos estudantes.

A imigração dos PALOP mantém-se elevada mas é diferente?

É diferente da brasileira. A qualificação elevou-se entre imigrantes dos PALOP, mas continua a ser mais baixa. Mas além dos brasileiros, dos PALOP e dos ucranianos, há um outro fenómeno mais recente, os asiáticos.

Quais as características?

A imigração do sul asiático - Índia, Paquistão, Bangladesh e China - cresceu muito e divide-se entre as áreas metropolitanas, sobretudo Lisboa, e as zonas rurais, em especial no Alentejo e no nordeste transmontano. Por um lado, com destaque para os chineses, dedicam-se ao comércio e à restauração. Outros estão mais na agricultura. Há ainda o caso dos tailandeses que estão quase todos no trabalho rural. Interessante é que a imigração para certas áreas periféricas, como o Alentejo e o interior norte, tem um crescimento de imigrantes superior a áreas urbanas. A agricultura intensiva precisa de trabalhadores e é isso que os leva para essas zonas. Na imigração, os da UE também aumentam, e chegam de vários países.

O cenário é então diversificado?

É um panorama muito diverso, que anuncia uma dinâmica económica maior. E não é só trabalho que faz chegar pessoas, é também o lado do investimento.

Ainda há milhares de irregulares...

Sim, mas a legislação portuguesa oferece atualmente a possibilidade de regularizar com justiça e correção. Há mecanismos a funcionar, embora possam ser um pouco lentos. Mas a abordagem caso a caso é uma opção correta e das mais justas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."