Jaime Gama nomeado chanceler das ordens militares

Ex-presidente da Assembleia da República sucede ao general Rocha Vieira à frente da chancelaria das antigas ordens militares.

Foi publicado esta segunda-feira em Diário da República o decreto presidencial que nomeia os chanceleres das antigas ordens militares, das ordens nacionais e das ordens de mérito civil.

Jaime Gama, antigo presidente da Assembleia da República e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, fica à frente da chancelaria das antigas ordens militares: Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito; de Cristo; de Avis; Santiago da Espada.

Manuela Dias Ferreira Leite, ex-líder do PSD e antiga ministra das Finanças, mantém-se como chanceler das ordens nacionais: Infante D. Henrique e Liberdade.

Maria Helena Nazaré sucede ao ex-ministro Luís Valente de Oliveira como chanceler das ordens civis: Mérito; Instrução Pública; Mérito Empresarial.

Marcelo Rebelo de Sousa, que é Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas e por isso usa a Banda das Três Ordens, nomeou os chanceleres no dia da sua posse, 9 de março.

As antigas ordens militares testemunham a tradição secular de que são herdeiras as Ordens Honoríficas Portuguesas e, atualmente, destacam "o caráter histórico que lhes está associado", informa a página da Presidência da República na Net.

As ordens nacionais correspondem a "uma realidade nova, que não herda a tradição das antigas ordens de cavalaria" e têm "enorme prestígio, pelo cunho histórico associado aos acontecimentos que assinalam", adianta o Palácio de Belém.

As ordens de mérito civil distinguem o exercício de funções públicas ou privadas, em especial na área social, na educação e no meio empresarial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.