PJ deteve suspeito de ter ateado quatro fogos em Tondela

As autoridades referem que o homem, com antecedentes criminais por crimes da mesma natureza, "atuou num quadro de desequilíbrio emocional"

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta sexta-feira a detenção de um homem de 32 anos suspeito de ter ateado quatro incêndios florestais, no início de setembro. Os fogos deflagraram junto a diversas povoações da zona de Mosteiro de Fráguas, no concelho de Tondela.

Em comunicado, citado pela Lusa, a PJ refere que o homem foi detido "em cumprimento de mandado emitido pelo DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] de Viseu, pela presumível prática de quatro crimes de incêndio florestal em terreno povoado por mato, pinheiro bravo e eucalipto, com elevada densidade".

"O detido ateou os incêndios com um isqueiro e atuou num quadro de desequilíbrio emocional", refere a PJ, acrescentando que se trata de "um indivíduo com antecedentes criminais por crimes da mesma natureza", que já anteriormente foi julgado e condenado.

Depois de sujeito a primeiro interrogatório judicial, o suspeito ficou em prisão preventiva.

Durante este ano, a PJ já identificou e deteve 122 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.