Marcelo:"Estamos no bom caminho em termos de redução da dívida pública"

Presidente da República acredita que o défice diminuirá de 1,4% para 1,1%, mas afirma que o crescimento económico e a criação de emprego dependem também do contexto europeu

O Presidente da República considerou hoje que Portugal está "no bom caminho em termos de redução da dívida pública", mas advertiu para os possíveis efeitos no crescimento da indefinição no quadro europeu, em particular na Alemanha.

Durante uma visita à feira anual de solidariedade da associação Novo Futuro, no Centro de Congressos de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a desvalorizar os avisos da Comissão Europeia sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2018.

Questionado se pensa que esses avisos não se vão concretizar, respondeu: "Ai, aquilo? Não, isso não se concretiza. Não, a Comissão Europeia tem de dizer aquilo que diz. Tem de dizer a Portugal, tem de dizer à França, à Itália, à Bélgica, tem de dizer a vários países - vejam só, para se ter noção de como são países muito importantes".

No seu entender, "como disse o comissário Moscovici, Portugal está no bom caminho".

"Estamos a trabalhar para diminuir o défice: está apontado diminuir de 1,4% para 1,1%. Estamos no bom caminho em termos de redução dos juros da dívida pública, estamos no bom caminho em termos de redução da dívida pública", considerou.

O chefe de Estado alertou, contudo, que o crescimento económico e a criação de emprego dependem em parte do contexto europeu e da conjuntura mundial, e que neste momento "há tanta coisa indefinida na Europa".

"O governo alemão está por formar, o governo austríaco está por formar. Pode haver eleições na Alemanha, e enquanto não houver eleições na Alemanha a União Europeia não vai tomar decisões que são importantes. Portanto, isso pode ser adiado para a primavera do ano que vem", referiu.

O Presidente da República mencionou também que "daqui por um ano estão a começar as eleições europeias, daqui por um ano é escolhido o candidato a presidente da Comissão pelos grandes partidos europeus".

Interrogado sobre que presentes de Natal gostaria de oferecer a Portugal, se pudesse, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Dava crescimento económico, emprego, não haver tragédias como estas, não haver seca, continuarmos com as finanças equilibradas, ser possível, portanto, aos poucos, aos poucos, ir construir mais justiça social, se conseguíssemos tudo ao mesmo tempo".

"Que o sistema de saúde e o sistema de educação conseguissem chegar para todas as solicitações, se for possível esticar a manta para um lado e para o outro de forma a tudo ser viável. Agora, depende um bocadinho do que se passar lá fora", completou, deixando um apelo: "Vamos lá ver se aquilo que depende de nós continuamos a fazer, e fazemos melhor. Aquilo que depende da Europa não depende de nós".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."