Direito incondicional ou despesa ineficiente e incomportável?

Em 2016, as pensões mínimas custam 4670 milhões de euros

Há um milhão 194 mil pessoas a receber as chamadas "pensões mínimas", que incluem as pensões rurais e sociais, e correspondem, neste ano, a 4670 milhões de euros. Aumentar as pensões mínimas de modo a igualar o salário mínimo, desiderato consagrado na lei desde o final dos anos 1990, implicaria uma dotação orçamental adicional de 3206 milhões, ou seja, mais 69% do que a atual.

Estas contas estão discriminadas no livro Segurança Social - Defender a Democracia, publicado neste verão, e coordenado pelos economistas Francisco Louçã, José Luís Albuquerque, Vítor Junqueira e João Ramos de Almeida. Contém quatro textos sobre as pensões mínimas, um dos quais, "Quanto custa o aumento das pensões mínimas?", de José Luís Albuquerque e João Ramos de Almeida, refere os números citados. E explica: "As pensões mínimas constituem um limite mínimo de rendimento assegurado pelo Estado, caso as pensões estatutárias, que resultam dos salários declarados e da duração da carreira contributiva, não atinjam esse valor." O que tal quer dizer é que parte das pensões recebidas por aquelas 1194 mil pessoas (a totalidade, no caso das pensões sociais) não corresponde a descontos, mas a um complemento fixado administrativamente, de acordo com os patamares de desconto - menos de 15 anos, entre 15 e 20, entre 21 e 30 e igual ou superior a 31 anos - que sai do OE.

Noutro texto, "A história das pensões mínimas e da pobreza entre idosos", de Vítor Junqueira, adverte-se: "As pensões mínimas (...) são atribuídas sem condição de recursos. Ou seja, são atribuídas a todos independentemente de outros rendimentos, sejam pobres, sejam ricos. (...) Trata-se em muitos destes casos de ineficiência do sistema, que canaliza fundos para pessoas que podem não estar necessitados de assistência social." Em contraste, refere-se que o complemento solidário para idosos (CSI), prestação criada em 2006 pelo então, como hoje, ministro Vieira da Silva, "é atribuído sob rigorosa observação de condição de recursos, de forma a que apenas idosos carenciados beneficiem do mesmo. [E] é uma prestação diferencial, isto é, (...) cujo montante varia inversamente com o nível de rendimentos dos beneficiários."

Num terceiro texto, "Faz sentido aumentar algumas mínimas e congelar ou diminuir o CSI?", certifica-se que "a criação do CSI tornou redundantes alguns complementos que anteriormente asseguravam patamares mínimos de rendimentos de pensão. (...) Na prática, isto significa que caso fossem eliminados os complementos sociais e complementos extraordinários de solidariedade, o CSI asseguraria patamares mínimos de rendimento à população idosa em situação de maior vulnerabilidade financeira."E conclui-se: "Apenas razões eleitoralistas poderão explicar a opção pelo aumento das pensões mínimas em detrimento do CSI." (O que, recorde-se, sucedeu durante o governo Passos, que aumentou apenas as pensões mais baixas entre as mínimas, ou seja, as dos que menos descontaram, enquanto baixava o valor de referência do CSI, diminuindo em 37 500, entre 2011 e janeiro de 2014, o número de beneficiários.)

Ao arrepio destas considerações, o texto "Assistencialismo versus direitos dos trabalhadores: o caso das pensões mínimas", da economista Maria Clara Murteira, defende a pensão mínima como forma de "tornar efetivo o direito dos trabalhadores a um nível mínimo de pensão de reforma." Considerando que "o desmantelamento desse direito" foi inscrito "de forma cifrada" no programa eleitoral do PS, e lembrando que foi Vieira da Silva, em 2007, a abandonar o princípio da convergência das pensões mínimas com o salário mínimo, Murteira alerta para que "o direito a um nível mínimo de pensão de reforma - direito construído a partir do trabalho e garantido incondicionalmente aos trabalhadores - poderá ser revogado e, em sua substituição, instituído um programa de prestações seletivas para idosos. A noção de solidariedade que esteve na base do reconhecimento do direito poderá ser abandonada, deixando de se exprimir em relação a um coletivo (os trabalhadores na reforma), para ser substituída por uma noção de solidariedade com os indivíduos (idosos) em situação de necessidade."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.