Crianças vão poder usar cartão escolar nos transportes públicos gratuitamente

Atualmente, os passes para a Carris e Metropolitano já são gratuitos para crianças até aos 12 anos

As crianças de Lisboa vão poder usar o cartão escolar para viajar gratuitamente na Carris e no Metro, uma medida que a câmara quer implementar junto dos alunos do primeiro ciclo em setembro, alargando depois a outros ciclos.

"A partir da Páscoa" irá avançar um projeto-piloto em dois agrupamentos da cidade "que ainda não estão escolhidos", mas a câmara pretende que, em setembro, "seja universal nas escolas básicas a existência de um cartão escolar que permite não só identificar o aluno na escola, mas aceder aos transportes públicos de Lisboa", avançou à agência Lusa o vereador da Educação e dos Direitos Sociais.

Atualmente, os passes para a rodoviária Carris e Metropolitano já são gratuitos para crianças até aos 12 anos, mas o Ricardo Robles admite que o cartão possa chegar a alunos mais velhos.

"Em setembro de 2018 queremos implementá-los em todos os alunos do primeiro ciclo e em setembro de 2019 queremos alargar depois aos ciclos seguintes", referiu Ricardo Robles.

"Ainda não estabelecemos até onde será, mas o objetivo é ser uma coisa progressiva, segundo, terceiro [ciclos], secundário (...), mas é um faseamento no tempo que ainda não temos definido, e portanto vamos articular também com o vereador da mobilidade", acrescentou.

Uma vez na posse dos cartões, os cerca de 15 mil alunos do primeiro ciclo de Lisboa poderão usar este sistema na Carris e no metro.

Com esta medida, explicou o vereador "deixam de ser os pais a ter de pedir" o passe para as crianças, pelo que os mais novos "desde que estejam na escola, passam a ter o cartão" para os transportes públicos automaticamente.

Na opinião do autarca, "esta é uma ideia que parece muito simples, e é simples, mas que cria um instrumento importante para as escolas", uma vez que quando existem atividades fora da escola é necessário que os alunos se façam acompanhar de títulos de viagem já carregados ou dos seus passes.

"Se os alunos já tiverem este instrumento, que é o cartão da escola que lhes permite andar nos transportes públicos, cria uma dinâmica diferente de atividades fora da escola, e acho que isso é muito interessante", advogou o bloquista.

Esta medida insere-se também numa política de tentar atenuar o impacto dos movimentos pendulares para as escolas, que têm um "grande pico ao início da manhã e ao final da tarde em zonas muito específicas da cidade, e que criam uma pressão muito grande".

Questionado sobre o investimento necessário para aplicar a medida, o eleito do BE apontou que "está a ser calculado pelo vereador da Mobilidade, mas para já é só a execução física do próprio cartão, e portanto o valor de investimento é muito reduzido".

Outra das valências deste cartão escolar estará ligada à cultura e será "a gratuitidade de acesso aos equipamentos da EGEAC", como museus ou teatros, medida que o vereador da Educação espera que "potencie muito as atividades nas escolas".

Uma das medidas constantes no acordo de governação da cidade, firmado entre PS e BE no início do mandato, é o acesso gratuito a menores de 18 anos, maiores de 65 e desempregados a todos os espetáculos e espaços geridos pela EGEAC (empresa municipal que gere os equipamentos culturais de Lisboa).

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.