Conceição Gomes: "Há brandura na punição destes crimes"

Socióloga, docente e investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, tem participado em estudos nas áreas do direito e da justiça. Conclui que há uma certa tolerância para com os crimes de violência e sexuais.

Fica surpreendida com a decisão de pena suspensa num processo por abuso sexual?

Não tendo lido a sentença, um primeiro comentário é o de que podemos e devemos refletir sobre as decisões dos tribunais. Há essa ideia - espero que não faça caminho - de que discutir essas decisões é mau socialmente ou tem um impacto negativo da justiça. Se há decisões com grandes implicações são as dos tribunais e, como tal, devem ser comentadas.

Quanto ao caso em concreto?

Há a perceção de que os tribunais são mais brandos nas condenações pelos crimes contra as pessoas (de violência, ofensa corporais graves, etc.) do que contra o património. Há uma desproporção entre as penas aplicadas num tipo de crimes e noutros, o que nos choca. Vemos isso noutras decisões dos tribunais, recordo-me de um trabalho em que analisámos as sentenças no âmbito da violência doméstica.

Um estudo do Observatório Permanente da Justiça?

Sim. Verificámos que nos crimes de violência doméstica havia um padrão: muitas das condenações eram de prisão e suspensas na sua execução. Mostra que há uma certa brandura dos tribunais nos crimes contra pessoas, um indicador que deve merecer reflexão.

Torna-se mais grave quando as vítimas são crianças?

Esse é o meu terceiro comentário. Nas questões que tenham que ver com crianças, as decisões dos tribunais, sejam no âmbito da justiça criminal sejam no âmbito da justiça tutelar, têm que ser bem ponderadas e assessoradas por psicólogos, pedopsiquiatras, etc., Não sei se neste caso teve ou não, mas é importante avaliar o impacto destas decisões no desenvolvimento destas crianças. Não sei até que ponto os tribunais estão rodeados de outros apoios, não só do ponto de vista jurídico, que ajudem a compreender o impacto que determinadas decisões têm nas crianças.

Esta decisão choca-a?

Se comparar com decisões no âmbito de outra criminalidade, realmente esta decisão está descontextualizada do sentimento da sociedade em geral em relação a esse tipo de crimes. Estas sanções penais têm de ser alvo de avaliação porque, de facto, há alguma brandura na punição da criminalidade no âmbito da violência doméstica e abusos sexuais em relação a outro tipo de crimes.

Têm uma explicação para isso?

Há uma certa cultura de tolerância para este tipo de crimes e a sociologia e a psicologia têm de ser chamadas a esse debate. Poderá haver alguma justificação de natureza cultural, aparentemente há ainda uma certa cultura de tolerância em relação a determinado tipo de comportamentos. É importante refletir se ela existe, de que forma existe e por que razão existe. Tem havido uma mediatização - e bem - deste tipo de atitudes, aumentado a crítica social a este tipo de comportamentos, mas no sistema judicial ainda prevalece uma cultura de tolerância. E isso ficou muito claro no trabalho sobre violência doméstica, não só contra mulheres mas também contra crianças.

Poderá ter que ver com o facto de o agressor ser homem?

Vivemos numa sociedade patriarcal. Há uma dominância masculina que se reflete em muitos comportamentos criminalmente relevantes, que, se fossem executados por uma mulher, provavelmente a condenação seria mais dura. A perceção que tenho é que se condena mais a violência sexual de uma mulher contra uma criança do que se for exercida por um homem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.