Chefe do Exército proibe lançamento de livro na Academia Militar

Livro escrito por organizador do protesto de oficiais frente ao Palácio de Belém é apresentado por general do Exército no ativo

O Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) proibiu o lançamento na Academia Militar do livro escrito pelo tenente-coronel na reforma Tinoco de Faria, a apresentar sexta-feira pelo general que é secretário do Conselho Superior de Defesa Nacional.

A decisão do general Rovisco Duarte, que é ouvido esta quinta-feira no Parlamento sobre o assalto aos paióis de Tancos, foi tomada após Pedro Tinoco de Faria ter organizado um protesto de oficiais - entretanto cancelado - junto ao Palácio de Belém e ser o promotor do chamado "movimento das espadas", soube o DN.

A apresentação do romance O Beijo da Quissonde", de natureza autobiográfica, vai decorrer sexta-feira na Sociedade Histórica da Independência de Portugal - duas horas após o início da audição parlamentar do ministro da Defesa sobre o roubo de Tancos - e será feita pelo tenente-general Antunes Calçada, comandante de Pessoal do Exército e secretário do Conselho Superior de Defesa Nacional (órgão de consulta do Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas).

O lançamento estava inicialmente agendado para domingo na AM, mas Tinoco de Faria divulgou nas redes sociais a "alteração do local por motivos alheios à vontade da editora e do autor".

O romance tem prefácios do coronel comando Raul Folques e do embaixador Tânger Corrêa (que também foi militar comando, a exemplo do autor).

Sobre o "movimento das espadas", Tinoco de Faria justificou-o num texto publicado nas redes sociais: "Não é de oficiais, é de sargentos, praças, polícias, trabalhadores anónimos, de portugueses fartos da desonra a que estamos a ser votados por parte de partidos políticos da esquerda à direita, é um movimento de consciência social [...]."

Nuno Pereira da Silva, coronel de infantaria na reserva, lamentou ao DN que haja oficiais das Forças Armadas envolvidos em protestos daquela natureza: " Por vezes somos obrigados a dizer não, com todas as letras, quando algum ou alguns camaradas de armas nos vêm solicitar apoio para uma causa, que no seu intimo faz sentido."

Acresce que "os militares que juraram defender a pátria e a Constituição, por maioria de razão, não podem nem devem participar em qualquer tipo de manifestação ou movimentos, como o movimento das espadas, que se afirmam contra o sistema, contra a partidocracia e contra algo que não sabem definir. O apelo aos camaradas, à falsa camaradagem e a manifestações corporativas é algo de inaceitável, inadmissível e intolerável", concluiu aquele oficial superior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.